Bela Maldade - Rebecca James

BELA MALDADE
REBECCA JAMES
Intrínseca

Este livro que no original em inglês intitula-se Beautiful Malice, de apenas 304 páginas, cujo enredo é um thriller juvenil onde mostra que a amizade pode ser cruel e, muitas vezes, mortal.


Achei a capa linda com um verniz holográfico sensacional, mas é uma pena que não conseguimos visualizar na reprodução da foto, mas não se deixe enganar pela sua beleza (risos). Ao lê-lo, vai entender o motivo, mas achei bárbaro que tanto a capa quanto o título
caíram como uma luva na história.

“Um segredo devastador
Uma vida destruída
Uma nova amiga que ajuda a esquecer
E se ela não for quem aparenta?”

Primeiramente, quero dizer que já li diversos livros do gênero onde os personagens sempre foram perseguidos de um jeito ou de outro, mas este conseguiu superar todos os vilões que já conheci em muitos romances afora, mas Alice conseguiu me dar calafrios e não sei quem consegue ser tão perversa ela ou a Jaqueline, do livro Tortura Cor-de-Rosa, da autora Lycia Barros, cujo tema é bem diferente, mas as personagens são tão maquiavélicas em torturas psicológicas, que só lendo para crer!!! (Mas isso é outra história, que brevemente postarei aqui).

A história divide-se em duas partes, intercalando em três estágios da vida de Katherine: passado (antes da tragédia), presente (depois da tragédia) e futuro (onde sobreviveu a todas as vicissitudes e vive uma vida confortavelmente feliz com sua filhinha Sarah).

Katherine vivia uma vida tranquila ao lado dos pais e da irmã, Rachel, que era tímida, reservada e insegura, mas generosa e leal a quem amava, além de uma ótima concertista, que se transformava com a música, sua grande motivação e ambição, enquanto ela só queria saber de badalações e garotos.

Filha de uma família abastada e feliz, que acabou sendo devastada por uma tragédia aterradora e inesperada que culminou na morte trágica e chocante da irmã, fato que me deixou consternada.

Ela foi a única pessoa sem maldade, inveja ou cobiça que conheci; a única pessoa que eu chegaria a comparar a um anjo.

Pág. 31

Desde então, não se diverte mais e acha que não poderá nunca mais ser feliz.
Ela e a família mudaram há um ano devido ao burburinho das más línguas e da mídia local que fez o maior estardalhaço distorcendo todos os fatos e, desde esse dia, suas vidas tornou-se um inferno, onde perderam toda a privacidade e a tranquilidade. Kate não aguentava mais a tristeza esmagadora dos pais, que ficaram obcecados com a sua segurança. Como tudo isso era insuportavelmente sufocante, mudou até de nome para sentir-se protegida. Se antes era feliz, despreocupada, sociável, agora tornou-se mais sossegada, calada, discreta e reservada. Após a morte de Rachel, seu mundo ruiu e seus sonhos de estudar medicina também. Aos 17 anos, tenta compreender a dor e a lidar com a culpa.

(...), as coisas saíram completamente dos trilhos. Os próprios trilhos foram arrancados debaixo de mim, despregados do chão, destruídos.

Pág. 25
(...) maneira melhor de lidar com a perda. Há apenas uma tonelada de dor para carregar – um fardo permanente e medonho -, e falar sobre essa carga não a remove nem a torna mais leve. Rachel morreu da maneira mais horrenda que se possa imaginar. Palavras são inúteis contra a crua verdade desse fato. (...).

Pág. 27

Após isso, Katherine muda-se de cidade e vai morar com Vivien, sua tia paterna, que é gentil e afetuosa, aproveitando a oportunidade de concluir o ensino médio. Solitária, pois a tia vivia viajando a trabalho, inicia uma vida nova evitando chamar a atenção. Por não querer se envolver devido ao segredo soturno, reluta em permitir que alguém se aproxime, contudo as pessoas sentem-se intimidadas e acham-na esnobe, mas tudo muda quando na escola conhece Alice, uma jovem popular, engraçada, inteligente e autoconfiante que, aos 18 anos, contagia a todos com seu entusiasmo e sua energia, pois faz qualquer coisa chata tornar-se divertida. Ao conhecê-la, Kate decide se arriscar, mas não reprime a sensação de que a amizade pode ser divertida e, com isso, fazer novos amigos.

Já ouvi dizer que as pessoas encantadoras, poderosas, têm o dom de nos fazer sentir como se fôssemos a única criatura no mundo, (...). (...), quando Alice me dá atenção (...), eu me sinto radiante, reconfortada pela certeza de ser plenamente compreendida.

Pág. 14

Devido à sua covardia, não resiste aos encantos da nova amiga, que ensina que pode voltar a ter uma vida feliz, livre e plena.

Não me divertia assim havia anos (...). Temporariamente esqueço a noite em que compreendi a horrível verdade sobre mim mesma, esqueço tudo o que tem relação com a noite em que descobri a covarde imunda e vergonhosa no âmago da minha alma.

Pág. 20

Através dela, conhece Robbie que, aos 20 anos, trabalha como garçom em um restaurante. Ele é franco, encantador, cativante, além de ser perdidamente fascinado e apaixonado por Alice, que tem medo de compromisso e é como uma droga em sua vida. Ele espera mais do que ela pode dar.

(...) um dia eu talvez venha a ter alguém como Robbie para amar. Alguém bonito, gentil e inteligente. Alguém que também me amará – apesar de quem sou e do que fiz.

Pág. 41
- (...). Sou apenas alguém que ela usa quando lhe dá na telha. Sou apenas um cãozinho leal de que ela pode abusar quando e como bem entende.

Pág. 139

Assim como Kate, Rob passou por um drama familiar e tenta sobreviver com isso.

(...). Palavras são só palavras, ajuntamentos de sons impotentes contra a força da verdadeira dor, do verdadeiro sofrimento.

Pág. 45
Se naquela época eu soubesse a facilidade com que as coisas podem ser destruídas, não teria dado tudo por garantido.

Pág. 54

Os três tornam-se amigos inseparáveis e, mais tarde, seus caminhos acabam se cruzando com o da jovem Philippa que, aos 23 anos, faz mestrado em psicologia e tem bom senso, além de ser realista, sincera, afetuosa, singular e inteligente, e de seu irmão Mick que, aos 18 anos, tem um jeito calmo, bondoso, retraído, tímido, decente, cordial, extraordinariamente bonito e é baterista de uma banda, por quem Kate se apaixona perdidamente e não acredita que merece tanta felicidade por causa da culpa que carrega em seu âmago.

Ele olha fixamente para mim por tanto tempo, que começo a ficar ligeiramente embaraçada, sinto meu coração bater mais depressa, meu rosto corar.

Pág. 145
- (...) não sei o que eu fazia antes. Antes de você. Não consigo me lembrar do que gostava, o que esperava. Fosse o que fosse, desapareceu. Agora você é a única coisa que me interessa. Isso é um pouco louco, um tanto estúpido. (...).

Pág. 203

A partir daí, um novo mundo se abre para Katherine, e há um fio de esperança em meio a tanta tragédia, mas ela mal sabe o que está a caminho, porque tudo é muito frágil e fugaz.

Um dia, todos descobrem algo hediondo sobre Alice e ficam perplexos, porque foram iludidos e manipulados o tempo todo e, para piorar, esta não aceita a rejeição dos amigos e começa a perseguí-los incansavelmente de forma implacavelmente hedionda e destrutiva, que deixa-os arrasados, porque ela é inacreditavelmente e perturbadoramente uma psicopata infeliz.

Mesmo diante dos fatos incontestáveis, Kate, com sua ingenuidade, não dava ouvidos ao seu sexto sentido e aos conselhos de Philippa, que advertia-a sobre a obscenidade, a sordidez e a inconstância de Alice. Com o tempo, Kate percebe que ela não gosta de ser rejeitada e está disposta a todos os subterfúgios com o intuito de ferir e controlar a vida dos amigos. Assim como ela, eu também teria medo das atitudes dessa víbora, cuja personalidade aberta era cordialmente envolvente, devotada, aparentemente inocente e bela, mas também era perigosa, grosseira, maldosa, extravagante, autodestrutiva e absolutamente mau caráter, capaz de causar um enorme sofrimento às pessoas ao seu redor, através de um ato execrável deliberadamente cruel, devido a problemas mentais, o que a torna terrivelmente assustadora, já que não aceitava ser contrariada e, seus amigos, mal sabiam que isso traria graves consequências, porque ela era capaz de tudo por vingança!

(...) olhar para os olhos de Alice. Eles são frios, avaliadores,, e as pupilas, tão dilatadas, que tudo o que posso ver é escuridão. Dura e inflexível. Profunda. Implacável. Ali só há trevas.

Pág. 114

Alice arruinou a vida de todos, especialmente a de Katherine, tomando o que lhe era mais precioso, estilhaçando em mil pedaços, mas seu fantasma ainda assombra-a depois de quatro anos. Por isso, Kate evita planejar um futuro incerto, assim como relembrar o passado doloroso.

Ao longo da leitura, fiquei chocada com as atitudes de Alice, que aterrorizou e me deu um friozinho na barriga, porque, às vezes, ela era amorosa e tinha uma admiração palpável, outras era desdenhosa com suas zombarias, tornando-a uma pessoa fria, insensível, egoísta e egocêntrica, mas era generosa e dócil quando lhe convinha, além de fazer você sentir-se especial. Era o demônio com carinha de anjo, daí vem o título do livro “Bela Maldade”. Nessas horas, tive ganas de me tornar um "Dexter" ou a besta mortal de Rhage, da Irmandade da Adaga Negra, em relação à personagem, porque ninguém merece sofrer o pão que o diabo amassou como a Katherine, e cheguei a seguinte conclusão: Quero distância de alguém assim!!! (risos).

O final do enredo foi surpreendente e as mazelas dos personagens são muito palpáveis, que chega a ser realista demais pela forma que nos atinge! Por diversas vezes, não entendia o porquê de tanta malvadeza da bela Alice, mas acabei ficando ainda mais estarrecida quando vi que as minhas suspeitas se confirmaram desde o princípio.

Quero esclarecer que este livro não é um romance água com açúcar, mas sim uma leitura impactante e envolvente onde você tem sentimentos conflitantes a cada página lida, onde aborda todos os problemas e conflitos comuns da adolescência, entre elas: álcool, vida desregrada, drogas, gravidez, como também mostra tudo sobre as manipulações psicológicas e suas consequências, que muitas vezes levam a situações trágicas.

13 comentários:

  1. Oi Carlinha!

    Não sabia que a história era tão impactante!!

    Adorei a dica, já sei o que esperar do livro =)

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Quem vê essa capa tão linda não diz que o livro tem esse enredo... é bem como dizem: não julgue um livro pela capa.

    beijoO

    ResponderExcluir
  3. Maravilhosa sua resenha.
    Nunca tinha lido uma tão boa.
    Até fiquei com um pouco de medo desse livro,sempre me envolvo muito na história e vai ser difícil lidar com tanta maldade.
    Mas não vou deixar de lê-lo.

    ResponderExcluir
  4. Nossa, eu nunca imaginei que a trama era essa... caramba!!
    Hum, sua resenha está muito boa, mas a história ainda não me prendeu... não sou muito fã de livros assim...
    Ainda estou abismada, achei que fosse um chick-lit ou algo assim, acredita??
    beijos,
    Dé...

    ResponderExcluir
  5. Uau! É o que posso dizer. Nunca li um livro que focasse tanto nas atitudes de um psicopata. E estou de olho nesse livro desde o lançamento. Sua resenha instigou minha necessidade de comprá-lo! \o/

    Abs.

    @crislayne_df 

    ResponderExcluir
  6. É, Lari.

    Essa capa ilude-nos direitinho, mas tive uma grata surpresa com o enredo!

    Em meio a tantos dilemas, gostei do casal fofo da história, que teve um final... mas isso não vou contar, se não perde a graça. (risos).

    Fazia tempo que não lia algo assim. :D

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Que bom que gostou, fico lisonjeada. Esses lançamentos são uma perdição para o nosso bolso. Desse jeito vamos à falência. rs.

    Se prepare para fortes emoções nesse livro.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Ainnnn, pensava que esse livro era diferente, a cada resenha que leio fico mais decepcionada pela minha ilusão hehehehhe

    Perfeita sua resenha :D
    Beijo,
    Lariane - www.leiturasedevaneios.com.br

    ResponderExcluir
  9. Adorei a resenha, a cada resenha fico mais encantada com esse livro.. preciso dele!!
    Vou surtar e comprar..mesmo sabendo que eu prometi ficar sem comrpar até dezembro..rsrs
    Obrigada por dividir conosco sua opnião sobre este livro!
    Beijokas!

    ResponderExcluir
  10. Oi, Ka. Achei que é a sua cara, já que você gosta de enredos assim. Você vai apreciar e torcer a cada minuto para a Katherine ser feliz, mesmo com essa peste rondando-a. rs.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Miriam. Concordo plenamente! Por isso, nunca julgo um livro pela capa e sempre acabo me surpreendendo, o que é maravilhoso!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Nanie. Também não imaginava, o que foi uma grande surpresa! Você vai adorar! A história é ótima e a personagem psicótica até a raiz dos cabelos. rs. Além dos momentos tensos, também tem uns momentos fofos com o Mick. ^^

    ResponderExcluir
  13. Adorei a resenha! Não sabia que o livro era assim tão impactante >< Fiquei com muita vontade de ler!

    ResponderExcluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.