Veleiros ao Mar - Sarah Mason

VELEIROS AO MAR
SARAH MASON
Bertrand Brasil


Minha visão sobre a arte de velejar não será mais a mesma depois de ter lido este livro (Sea Fever, 756 p.), que é o terceiro da autora que leio (veja os outros aqui), focado na história de uma equipe britânica - que não tem a menor chance de vencer a America’s Cup, uma das mais importantes competições do mundo -, mas contarão com a ajuda do patrocinador Colin Montague, um industrial rico e camarada, para conquistar este desafio e calar os maledicentes que não creem no seu potencial.


- (...). Uma das coisas que você precisa entender é que essa Copa não é feita para ser uma competição justa. Qualquer um que a ganhe pode estabelecer as regras.
Pág. 24
- (...) quando se ama alguma coisa como nós amamos, Inky, isso às vezes tem um custo muito alto. Talvez seja disso que o seu pai esteja tentando te proteger. Mas nós dois sabemos muito bem que não há nada que se possa fazer... Parar de fazer alguma coisa que se ama seria tão estranho quanto cortar o braço fora.
- Mack -
Pág. 25

A história será focada nos integrantes dessa equipe, que velejarão pela primeira vez neste circuito, representando o seu país na Copa, entre eles:

Erica Pencarrow, conhecida como Inky, é uma mulher à frente do seu tempo em luta constante pelo sucesso para conquistar seu lugar no mundo. Bela, ambiciosa e determinada luta para vencer com esforço e talento a barreira do preconceito de que mulher não tem lugar nesse desafio e se apaixonará por um integrante da equipe rival.


- (...) acho maravilhoso que você leve suas responsabilidades a sério, mas Inky não será uma grande velejadora. Mulheres e iatismo são incompatíveis. Quanto mais cedo ela perceber isso, menos decepcionante será para ela. Inky deve gastar o seu tempo com coisas mais construtivas. Deus sabe como a mãe dela gostaria que...
Pág. 28

Viveu no meio de uma família de velejadores e age como seus três irmãos, para desgosto da mãe, que queria que ela fosse mais feminina. Contará com o apoio do padrinho, Mack, e em  sua luta suportará comentários depreciativos e piadinhas machistas de mau gosto.


Esta busca por coisas mais femininas não parecia tê-la feito muito feliz. Era como se seu próprio sexo a tivesse traído. Inky queria desesperadamente velejar como os irmãos. Queria a mesma liberdade. E conseguiria, custasse o que custasse, independente do que o pai dissesse.
Pág. 29

De uma beleza encantadora, Fabian Beaufort é um ex-velejador profissional, talentoso e problemático que trava uma enorme batalha pessoal, pois foi relegado ao ostracismo, já que seus dias gloriosos foram arruinados pelos excessos em álcool, drogas e mulheres, que culminou numa grande tragédia que carrega nos ombros.


(...) ele tinha um só amor: o mar. E o mar era um amor egoísta e exigente. Nunca sobraria espaço para mais ninguém.
Pág. 75
Ele achava difícil explicar por que algo tão desconfortável e punitivo, que também podia ser perigoso e estressante, podia ser tão viciante.
Pág. 88

Mesmo sendo a encarnação de um rapaz mimado, vive na defensiva por conta da hostilidade que gira ao seu redor devido à sua reputação duvidosa e, como se não bastasse tudo isso, ainda tem que lidar com o fato que seu pai desapareceu há muitos anos sem deixar rastros, deixando a família falida. Mesmo sendo orgulhoso e receoso, nunca duvidou do seu talento.


De repente, sentiu-se totalmente desorientado. Não tinha dinheiro; ninguém queria saber dele ou de lhe dar um emprego. Não conseguia se lembrar em que sua antiga vida fora baseada, mas sabia muito bem o que queria fazer. Velejar profissionalmente e encontrar o pai. Agarrou-se a essas duas coisas como um homem que se afogava.
Pág. 91

De mundos opostos, um dia conhece a independente Milly, uma garçonete gentil e solidária, que tem o grande sonho de cursar Moda. Inevitavelmente, acaba encontrando a paz ao seu lado, porque
através da sua doçura descomplicada ela o mantém são, o que era um bálsamo para a sua alma atormentada.

(...), inclinou-se rapidamente para a frente e beijou-a. Milly sentiu gosto de sal e champanhe. O calor de sua boca foi delicioso em contraste com o tempo. Milly desejou que pudesse ficar ali, beijando-o para sempre.
Pág. 89

Quando tudo parecia estar dando certo, o mundo desaba em sua cabeça. Os dois tem chance de um futuro feliz?


O que poderia dizer para que ele mudasse de ideia? Não sabia... estava chocada. Furiosa também. Ele havia feito uma promessa, (...). O que dava a ele o direito de ir embora, quando ela não podia fazer o mesmo?
- Milly -
Pág. 115

Rafe Louvel, um jovem solitário e excêntrico, tem um talento inquestionável. Enigmático, discreto, bem-humorado e inquietante, passou a vida inteira no mar devido às perdas que o destino lhe impôs. Reluta em competir, mas tem o dom raro de sentir a natureza e prever as oscilações climáticas.

Um dia, vê sua paixão por iates desmoronar ao se apaixonar pela artista Ava, a filha mimada, rebelde e boêmia de Colin, que não dá a mínima para convenções e gosta de desafios. Audaciosa e impetuosa, Ava é completamente imprevisível, mas ele se vê irremediavelmente atraído por sua beleza e graciosidade, porque ela era apaixonante, vibrante e pouco convencional aos seus olhos.


- Ouvindo o que os outros dizem de novo? Você precisa mesmo se decidir. Está sacrificando tudo o que temos pelo quê?
Pág. 218

Essa relação tempestuosa tem futuro?


Adorei a capa e a diagramação, cujo enredo - dividido em quatro partes -, foi focado não só em Inky, mas em diversas tramas paralelas, entre elas: a de Rafe e Fabian.

A leitura fluiu agradavelmente e me envolveu desde o princípio, me garantindo muita diversão entremeada de drama, aventura, humor, romance e também suspense, que me deixou tensa à flor da pele por conta da rivalidade nas competições, onde as equipes travarão a maior batalha de suas vidas.

Adorei os personagens secundários, entre eles: Bee, a tia de Rafe, uma cinquentona que ama
a vida e aproveita-a ao máximo; Hattie, uma RP estoica; Mack, o padrinho de Inky, que volta com tudo após deixar suas habilidades de velejador nas sombras; Custard, amigo íntimo, extrovertido e adorável de Inky.

Como todo romance, não tem graça se não tiver seus vilões, entre eles: Henry Luter, o antagonista do livro, é um patrocinador bilionário inescrupuloso e impiedoso que está determinado a vencer a qualquer custo em sua obsessão pela ascensão social. Só é generoso quando coloca as despesas nas contas dos sindicatos e faz da vida de todos um inferno; e Jason Bryant, um jovem agressivo e esnobe que gosta de vencer a qualquer custo, pois sua frieza intensa disfarçava a própria ambição. Ele tem uma antipatia que beira o ódio por Inky, na necessidade quase psicótica de um derrotar o outro. Essa hostilidade mútua nos dá a impressão de que há algo no ar.


- Eu os deixei nesse estado? Eu? – perguntara Henry, furioso.
- Sim, por tê-los trocado tanto de posição. Por fazê-los assumir responsabilidades pelos seus erros. Por criar políticas tão corruptas que fariam qualquer golpe de Estado de um país africano parecer bom. Por normalmente tratar as pessoas como se elas fossem lixo.
Pág. 45

Sou completamente leiga em iatismo e mesmo assim apreciei a trama. Em alguns momentos, as coisas acontecem rapidamente, mas a escrita da autora continua cativante, assim como os seus personagens. É uma leitura ótima para relaxar!

6 comentários:

  1. Coloquei um selo para você em meu blog.
    http://lisos-somos.blogspot.com.br/2013/02/selo-de-blogger-versatil-ui.html#more
    Até mais!

    ResponderExcluir
  2. 756 páginas de puro deleite né amiga?!
    Amei sua resenha, deu vontade de ler...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, amiga.
      Foi uma leitura agradável e me diverti demais!!!
      Você precisa ler os livros dela. Se for começar, leia "Um Amor de Detetive". Vai amar.
      Beijos.

      Excluir
  3. Adoro essa autora e Veleiros está na lista ;)
    Resenha muito boa :D
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Carlinha, parece um livro bastante divertido \o/ Eu não li nenhum dos livros dela >< O que é uma pena =( Parece ser super bacana!

    Beijos,
    Nanie

    ResponderExcluir
  5. Oi, Carlinha!

    Já ouvi falar da Sarah Mason, mas nunca li nada dela! Adoro a capa desse livro e tenho muita curiosidade de ler! Bom saber que você gostou!

    Beijos,
    Inara
    http://www.lerdormircomer.com.br

    ResponderExcluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.