De Amor e Destino - Aline Negosseki Teixeira

DE AMOR E DESTINO
ALINE NEGOSSEKI TEIXEIRA
Letríssima Publicações

Desde que li Por Falar em Disputa..., me tornei fã da Aline pela forma envolvente e lírica com que escreve suas histórias, cuja forma de transpor suas emoções no papel me recordou da escritora Martha Medeiros, o que torna a leitura ainda mais pungente.

Com este segundo romance (123 páginas, Letríssima Publicações) também não foi diferente, porque relata a história de um grande amor e de uma louca paixão e, ao mesmo tempo, de um milagre maior que tudo.

Pode um homem se apaixonar duas vezes por uma mesma mulher? Pode uma mulher amar verdadeiramente dois homens em sua vida, ou é um único e verdadeiro amor que impulsiona os amantes ao seu destino inescapável? 

Aos 26 anos, Júlia Arantes ė uma arquiteta bem-sucedida. Conheceu o charmoso e enigmático artista plástico Devon Merindello no coquetel de abertura da exposição “Quebrando Correntes”.

Eloquente, persuasivo e irreverente, ele também era apaixonado por carros e cavalos de corrida, administrava um haras que gerava muitos lucros e colaborava com uma instituição.

“Jamais tinha sido amada tão ardentemente e com tanto zelo. Ele tinha um dom com as mãos e as palavras que a deixava em total desatino. Quando se lembrou de como ele a tratara, como se fosse a única mulher para ele, com total atenção e afeição sentiu os olhos umedecerem e, depois de cenas antigas voltarem à tona para macular a infinita alegria de sua alma nesse momento, deixou escapar um soluço sentido.”

Perdera a visão há sete anos
e, mesmo sendo afetuoso, sofre com a repulsa do preconceito. Filho de uma americana e um brasileiro, ele sempre apelou por causas nobres de raízes profundas em nosso âmago retratando nossa triste realidade. Afinal, as pessoas não precisam de caridade, mas dignidade e direitos iguais.

“Não que esperasse algo mais desse encontro. Sabia que, como todas as outras, passada a curiosidade de sair com um cego muito bonito, ela partiria para um relacionamento sério, com uma pessoa adequada para constituir uma família. Resignado, não esperava sobremaneira que com a doce Júlia fosse diferente. Ela lhe pareceu dinâmica e ocupada, muito agradável, simpática... Com certeza passariam bons momentos juntos. Mas seria só.”

À primeira vista, há uma forte tensão entre os dois, mas desencantada do mundo, não imagina quantos ideais e concepções ambos têm em comum, pois se completariam com suas qualidades e defeitos. Encontrará nele, alguém que a fará “enxergar” um universo grandioso com outros olhos. 

— Não diga nada, agora que cheguei a um estágio de equilíbrio, que só a conformidade me trouxe, me sinto disposto a continuar vivo. É melhor viver a vida intensamente que gastá-la correndo atrás do que não é possível.
— Sabe, mesmo onde não há beleza, existe ainda a esperança do belo.
 
Moderna, independente financeiramente, mas reservada e muito esquiva, Júlia sempre foi uma filha exemplar e nunca se desviara de sua conduta, mas não consegue compreender como Dev consegue vê-la tão profundamente.

“Pareciam fitar além. Aqueles olhos pareciam enxergar-lhe por dentro. Júlia incomodou-se. E muito. Sentiu-se nua de repente diante de alguém que não poderia na verdade ver-lhe. Como ele conseguia fazer parecer que a olhava diretamente nos olhos?”

Infelizmente, não percebe que por trás de sua descontração e de seu sorriso maroto, Dev carrega uma grande amargura pessoal. Por isso, chega a se condenar por confiar nele, já que o julga um patife.

“(...) também sou do tipo que não quer “curtir”. Só vou ficar com alguém que estiver interessado em algo sério. Não gosto de desperdiçar meu tempo.
— Pois eu asseguro que a atração que há entre nós é muito séria.”

Sincera, se vê cada vez mais cativada pelos olhos verdes, cristalinos e vazios, como também por sua presença marcante. Irremediavelmente atraída e seduzida por suas ações, a paixão acaba falando mais alto. Jamais imaginou que se apaixonaria por um cego, mas acaba se rendendo aos seus encantos.

Ele não entende por que ela se resguarda tanto, o que faz com que ela se torne ainda mais cara.

“Acendeu em seu pensamento a verdade de que nunca sentira tanto bem querer por ninguém... Por ninguém. O que estava sentindo no âmago de seu interior por Júlia era inédito. Sentia mais que uma dor, mais que uma vontade. Era como se em todo o mundo só ela existisse, só ela importasse.”

Além disso, há um mistério que permeia sua vida, mas ela teria coragem de se entregar incondicionalmente a alguém novamente?

“Não que fosse à moda antiga. Mas nunca conhecera alguém especial desde... (...). A dor que sentia quando se lembrava dele era proporcional ao volume de suas lágrimas, que deixaram com o passar dos anos de serem convulsivas. Por isso relutava entregar-se a um sentimento novo. (...) Não importava que seus pais e irmãos lhe dissessem que mais cedo ou mais tarde passaria. Ela não acreditava. E sempre que se via a um passo de se apaixonar por um homem, o dispensava sem maiores explicações. Pelo menos agora, já admitia estar apaixonada por Devon. Ah... Iria deixá-lo entrar em sua vida? Começou a sentir-se sonolenta... Ele entraria para ficar, ou seria de passagem?... Os olhos intensos pelo brilho das lágrimas foram ficando morteiros... Qual seria a intensidade daqueles sentimentos?”

Por ser filha de um homem forte, intransigente e preconceituoso, ela achava-se fraca e guardava um grande ressentimento por desavenças familiares, mesmo sendo generosa e fiel aos seus princípios. Sempre teve vontade de transgredir essas regras que impusera a si mesma.

Ambos disfarçavam seus anseios d’alma, mas será que conseguirão penetrar essa barreira intransponível confiando seus maiores segredos um ao outro?
Dev a faz renascer como mulher, mas quando está transpondo os muros do passado algo doloroso surge e volta a assombrá-la, deixando-a profundamente magoada, o que a leva a romper seu relacionamento por temer um envolvimento emocional.

Inconformado com a separação, Dev sonha em conhecer o rosto da mulher que lhe deu uma esperança que julgava perdida. Enquanto isso, houve um tempo em que ela sempre foi doce e descontraída, mas esqueceu sua força, coragem e perseverança devido a um evento traumático profundo ocorrido há oito anos e que ainda não superou.
Ele conseguirá ultrapassar esse bloqueio?

“Era outra mulher. Depois dele o mundo para ela se tornou uma surpresa em cada toque, som, aroma que procurava empregar atenção. Ela tinha a sensação que, por mais estranho que pudesse parecer, ele a reciclara. Fizera-a ter coragem de transgredir contra o pai e contra si mesma. E por isso era tão difícil esquecê-lo. Cada coisa simples que a surpreendia, remetia seu pensamento às lembranças do amor que vivera com Devon. Sim, hoje ela sabia que o amava. Seria impossível esquecê-lo. Seu amor era tão verdadeiro que esperava que ele fosse feliz, longe dela.”

Mesmo ciente do amor profundamente intenso que ele despertou-lhe n’alma, ela abrirá totalmente mão dessa paixão? Conseguirá vencer seus temores e encontrar a verdadeira felicidade antes que seja tarde demais? Entre amor e destino, o que prevalecerá?

“Júlia pensou afinal que tudo poderia ter sido lindo, se tivesse havido um futuro para os dois. A química era com certeza perfeita, mas o que ele demonstrara esperar daquilo que parecia existir entre eles era apenas um encontro físico. A verdade era que não poderia haver ninguém mais para ela.”

Apreciei a simplicidade da capa que reflete o cenário e o pano de fundo abordado, o que é de grande utilidade pública, porque mostra algumas das dificuldades e dos preconceitos pelos quais todos os portadores de deficiência passam. Devido a esse preconceito, infelizmente, muitos são tratados como inválidos.


Como li o manuscrito, obviamente durante a leitura, encontrei alguns erros de revisão, mas são irrelevantes. Irei repassar para a autora, que já está ciente e serão corrigidos nas próximas edições. Fiquem tranquilos!
 
Depois de Luz da minha Vida, da autora Glaucia Santos, que será lançado ainda neste mês, De Amor e Destino é o segundo livro com esse pano de fundo que li e que me engrandeceu em alguns aspectos por personagens inspiradores e que são uma grande lição de vida.

Dev foi tão marcante e otimista que, apesar de ressentimentos do passado, superou todas as adversidades que a vida lhe impôs. Não é um homem só de quatro sentidos (tato, olfato, paladar e audição), pois mesmo sem a visão ele vê o mundo de uma forma que você nem ousa imaginar, pois todos os seus sentidos são aguçados!

É um personagem que fará com que você reflita sobre várias coisas entre elas, como a própria autora descreve e sempre temos curiosidade em saber, porque o livro mostra muito isso e não tem como você não se emocionar: “Como alguém que nunca enxergou poderia, por exemplo, contextualizar cores e tantas outras coisas para as quais a poesia apela?”

Narrado em terceira pessoa, sob a perspectiva do narrador e dos protagonistas, a leitura é fluída em um enredo arrebatadoramente leve e despretensiosamente cativante com ingredientes que apreciamos em qualquer livro do gênero: amor, romantismo, paixão, humor, cenas calientes e questionamentos plausíveis.

Este romance me trouxe uma complexidade de sentimentos, porque é daqueles que perduram em nossa memória para sempre pela simplicidade intensa que emana e, ao mesmo tempo, nos toca pelas reflexões que traz.


Ajude ao próximo e dará um sentido à sua vida que você nunca imaginou ser possível.
“Quem ama não se importa se uma pessoa tem suas feridas que prefere manter intocadas.”

Aline cativa com seu dom raro que nos transporta para um universo rico e pueril, com uma sensibilidade nata e de uma delicadeza poética tornando seus personagens tão humanamente verossímeis e com emoções tão palpáveis inerentes à nossa condição, que não tem como o leitor não se identificar em algum momento, porque eles representam cada um de nós em nosso cotidiano, através de nossas qualidades e defeitos; alegrias, desilusões e tristezas; sonhos e anseios; angústias e conflitos.

Os personagens foram bem construídos e apreciei a forma como tudo foi conduzido, mas alguns leitores podem estranhar a velocidade dos acontecimentos. Apesar do desfecho previsível, eu queria que a escritora escrevesse uma continuação para a história, porque adoraria ter visto além do destino dos personagens, como Dev perdoando alguém próximo (não vou me estender muito, porque não quero soltar SPOILER) e saber um pouco mais sobre a família da Júlia, cujo irmão me deixou nervosa. Não há um leitor que ele não conseguirá tirar do sério e, pensar que foi inspirado em alguém real, me arrepia. Pior que tem muitos iguaizinhos por aí. [risos].

Apaixonei-me pela história desse casal, porque me lembrei do filme À Primeira Vista, estrelado por Val Kilmer e Mira Sorvino, que amo de paixão.

Visualizei cada cena e a descrição ricamente descrita com maestria das paisagens foi sensacional!

Infelizmente, é uma pena que este livro ainda não foi publicado. É independente e a autora precisa vender alguns exemplares de seus romances anteriores para a realização de mais esse sonho.

Não se preocupem, porque tenho uma ótima notícia. Quem estiver interessado em alguns de seus romances em formato digital, eles estão à venda por um preço acessível na Amazon:

                        
Se você quiser comprar todos os livros físicos da autora autografados, entre em contato através da lojinha do site ou através do e-mail: autora@alineteixeira.com

A autora também está postando cerca de dois capítulos semanais em seu blog do primeiro volume que fará parte de uma trilogia romântica (Graciosa, Preciosa e Amorosa). 

Além do site, você pode acompanhar Graciosa também pelo Wattpad. Aline tem a história pronta na cabeça, mas precisa de tempo para escrever os capítulos, colocar em ordem e revisar. Enquanto isso, vocês podem ir acompanhando por essas redes, mas vamos torcer para que logo seja publicado!

Para saber mais sobre a romancista e poetisa paranaense Aline Negosseki Teixeira e suas obras:




2 comentários:

  1. Que primor de resenha, amei os quotes, demonstra a delicadeza da autora.

    Apaixonei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Leninha.

      Tem muitos quotes maravilhosos.
      Foi difícil selecionar estes.
      Sinceramente, esse livro é de uma sensibilidade encantadora.
      Você vai amar. ^^

      Excluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.