Apátrida :. Ana Paula Bergamasco

APÁTRIDA
ANA PAULA BERGAMASCO
Todas as Falas

Recebi esse livro autografado para resenha da autora Ana Paula Bergamasco, nossa nova parceria, e, ao concluir a leitura, só posso dizer que a história de Irena emocionou-me profundamente desde o princípio, com uma narrativa extremamente sutil transcorrendo entre o passado e o presente fluindo de forma clara e cristalina, pungente e, ao mesmo tempo, extravasando sentimentos e emoções à flor da pele.

Já li diversos livros com temas densos como "O Caçador de Pipas", de Khaled Hosseini e outros com a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto como pano de fundo, entre eles: "A Escolha de Sofia", de William Styron; "O Diário de Anne Frank"; "O Menino do Pijama Listrado", de John Boyne; "A Menina que Roubava Livros", de Markus Zusak; mas nenhum deles me preparou para o que eu veria através de uma leitura que foi tão tocante e envolvente, apesar de relatar os horrores desse episódio que foi um estigma na História Mundial, mas que também mostrou um lado humano, de extrema sensibilidade, através da história dos amigos e familiares da sobrevivente Irena, e de diversas pessoas que cruzaram o seu caminho no decorrer da narrativa. Além disso, é um grito de alerta, para que um período como esse jamais se repita na História, como segue abaixo nas palavras do próprio editor:

(...), se nos descuidarmos, repetimos o ciclo de ódio, sem nos apercebermos do erro dos nossos atos.

- No mais, temos que conservar acesas as luzes sobre o passado, para que ele não se repita, por mais dura que seja esta recordação. (...) Mantermos em memória eterna aqueles que foram ceifados, como um holocausto vivo. Esta é a história da minha autobiografia: seres humanos maravilhosos, em suas múltiplas facetas, arrancados do palco da vida, em pleno espetáculo...

Essa é a história de duas famílias distintas, cujos caminhos se entrelaçam, onde surge uma paixão em meio à guerra, que ceifou muitas vidas, mudando vários destinos.

Nascida na Polônia, Irena viveu uma infância relativamente feliz e humilde ao lado dos pais e dos oito irmãos em um vilarejo, nas redondezas de um bosque, onde adorava brincar correndo e empoleirando-se nas árvores, porque era uma menina cheia de vida, turbulenta, voluntariosa e, às vezes, arrogante, cercada de sonhos e esperanças. Seus pais eram agricultores e realizavam pequenos consertos e trabalhos manuais, mas todos ajudavam nas tarefas diárias. Apesar de sofrerem privações, eram muito unidos.

Irena encontrou na primavera de sua vida um grande amor e amigo, que permearia a sua existência: Jacob, o menino judeu, que era filho do Dr. Yossef, o médico da região, que no passado fora um grande amigo do pai dela. Mas, por circunstâncias do destino, essa amizade foi rompida, por motivos que desconhecemos e que só no final é revelado. Garanto a vocês que é surpreendente, mas que, no decorrer da leitura, sempre suspeitei de algo, só que não irei dizer o que é, senão perde a graça. (risos). No final, minhas suspeitas estavam certas... só errei a pessoa! (risos).

Um dia, por ironias do destino, os caminhos das duas famílias acabam se cruzando novamente e com isso a amizade entre Irena e Jacob acaba estreitando os laços familiares por toda a vida. Os dois crescem sob a turbulência política e com inúmeras responsabilidades familiares, mas acabam apaixonando-se.

Amar alguém é vê-lo como Deus o concebeu. (...) e foi desta forma que aprendi a amar o homem que permeou a minha vida.

Eu não sei explicar o início desse sublime sentimento. (...) Amei Jacob pura e profundamente e sei que ele nutriu o mesmo afeto por mim.

A sua ausência causava-me tristeza e angústia. Era quase uma dor física. (...) A sua presença mudava o meu universo. Ríamos e conversávamos. (...)

Pág. 33

Essa paixão acaba desmoronando a vida de Irena, porque Jacob é terminantemente proibido de casar-se com ela devido ao choque cultural e a tradição familiar no qual foi criado. Ao descobrir, Irena fica arrasada e cai doente, quando Jacob consuma seu casamento com Ewa, uma linda jovem judia de Varsóvia, abastada e elegante, que sua família aprovava. Com o apoio e o carinho da família, Irena tenta recuperar-se e conhece Rurik, um rapaz admirável, de boa índole, altruísta e generoso, com quem acaba casando-se e indo viver na Bielorússia.

- Qual o seu conceito de justo, Irena? O que pode é bom para você, pode não ser para o outro e o que é justo para o próximo pode não sê-lo para você. (...) a justiça é dar a cada um o que é seu a cada minuto. (...) o que nos sobra, (...), são as virtudes, e a nossa capacidade de poder discernir e de fazer, a cada dia, a nossa escolha... (...), crescermos com ela, (...), e aprendermos com ela, (...). Nada pode ser desprezado. A capacidade do homem reside em seu aprendizado no certo e no errado das coisas. A evolução só se dá com a melhora do ser humano, no sentido mais sublime da palavra.

Pág. 64

Mal sabia ela a enorme tragédia que iria assolar a sua vida, de seus familiares e amigos, além de milhares de pessoas, onde a guerra, a religião e as conturbações sociais mudariam seu destino e a empurrariam em uma avalanche de acontecimentos que a transformariam de menina simples e ingênua em uma mulher de fibra, coragem, perspicácia, lutadora e, acima de tudo, uma sobrevivente, que sofreu todos as perdas e dores, vivenciou os piores sofrimentos que um ser humano pode suportar e abdicou de seus desejos sacrificando todas as suas vontades em prol daqueles que amava!

(...) Ainda que me levassem tudo, eu continuaria um ser humano a ser respeitado e amado. (...) Todavia, não extraíram de mim as minhas origens. Eu sempre seria Irena, nascida em Lublin, numa família polonesa e feliz, (...), cheia de sonhos. E não eram leis de homens que me furtariam isto!

Pág. 332

O período em que se passa essa saga das famílias européias e o caos que gerou a Segunda Guerra Mundial, é na década de 20, 30 até o século XX.

Está escrito que, quando houvesse relativa paz na Terra, iniciaria súbita destruição. Foi assim o início da Segunda Guerra. Ninguém imaginava o tamanho da desgraça e muito menos a força com que ela se abateria sobre nós, poloneses.

Pág. 83

(...): o quanto vale a minha vida? E a das demais pessoas? Poderia ser dimensionada por quais parâmetros? Um valor em dinheiro? Uma quantidade de bens? A sua origem étnica ou religiosa? A sua preferência sexual? Os seus costumes?

(...) Sim, a guerra é uma injustiça, pois arranca de muitos tudo o que eles têm, sem dar-lhes nada em troca.

Pág. 99.

Esse diálogo entre Irena e um sobrevivente é de doer o coração:

- Valeu a pena ter sobrevivido?

(...)

- Pois para mim não. O único motivo pelo qual aceito viver é para realizar, ano após ano, as orações para a minha família e cumprir o desejo do coração de minha esposa. Nada mais. A esperança que tenho é de morte, pois da vida nada me restou, a não ser angústia pelo que assisti e tristeza pelo que vivi.

Pág. 128

Abaixo deixo um trechinho de uma carta linda que Irena escreveu durante a guerra para Jacob:

(...) Não pense que o meu coração é um barco à vela, que navega de amor em amor de acordo com o vento. Ele é mais fixo que as pirâmides do Egito. Ainda que as areias da vida tentem escondê-lo, ele permanece inabalável. Sei que está passando por muitas dificuldades. Onde está é horrível. Mas é seu dever continuar vivo. Levante-se por mim! (...) Escreva-me pacificando a minha alma e as minhas aflições. (...) Pois é melhor a certeza do não do que a agonia sufocante do talvez. (...)

Pág. 146

Treblinka. Auschwitz. Chelmno. O que estes nomes lembram? Cidades? Campos de Concentração? Morte? (...).

(...), o significado dessas palavras é a ausência total do respeito humano. É a negação da nossa própria raça. A desconsideração pura do que somos. O oposto da razão pela qual vivemos. O último estágio na nossa ignorância e o primeiro de nossa loucura.

Muitos sabiam. Ninguém impediu. (...), este foi o parâmetro da bestialidade. Passamos a tolerar gestos igualmente brutais, em menores proporções.

(...)

Pág. 177

Adorei diversos personagens, entre eles Rurik, Jan, Andrzej. Fiquei apreensiva e chocada com o que houve com vários, a quem aprendi a admirar, especialmente com o Rurik. Aí, não me segurei mesmo! Foi demais! Haja coração!

Adorei a capa desde que a vi. Na minha opinião, aquela pupila azul colorida em meio ao cinza traz um sinal de esperança, mesmo que remota, apesar da lágrima que corre devido a dor e ao sofrimento. A contracapa e as orelhas ficaram fenomenais, ainda mais com uma rosa vermelha caída. Só quem leu, saberá o seu significado e isso é tão pungente que, ao relembrar, me emociono!

A única exceção do livro é que faltou uma supervisão melhor na revisão, já que percebi alguns erros de digitalização entre outros, mas não há nada que prejudique ou interfira na história, que é excelente!

Quero agradecer muitíssimo à autora, porque através do seu livro me trouxe momentos reflexivos com muitos ensinamentos e questionamentos! Obrigada por ter me concedido a honra de conhecer essa obra inolvidável, preferencialmente nacional, que me proporcionou uma leitura profundamente envolvente e emocionante!

A leitura foi extremamente marcante e profunda! Não há como não se emocionar do princípio ao fim. As descrições da guerra eram detalhistas demais e, em diversos momentos, cheguei às lágrimas, pois tive a sensação de estar visualizando aquela situação de tão realista que era, porque o relato é surpreendente, apesar desse ser um período atroz que assolou toda a Humanidade! Uma leitura que toca no âmago do seu ser, porque desperta-nos para as agruras do século XX e a necessidade de um diálogo mais harmonioso entre nós.

Só para concluir, esse foi o melhor livro nacional que li esse ano de 2010, que ficará marcado em minha memória para sempre e, como não podia deixar de ser, estou indicando a todos os meus amigos!

Por isso, está mais do que recomendado!

A AUTORA

ANA PAULA BERGAMASCO

Paulista, descendente de italianos e espanhóis, aprendeu cedo sobre a saga da imigração. Formou-se em Direito pela USP, de onde recebeu uma menção honrosa por uma monografia centrada nos diretios internacionais do indivíduo. Com duas filhas, é casada, advogada militante e professora.

Para saber mais sobre a autora e sua obra, acesse:

Site:
http://apatridaolivro.blogspot.com/

Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/127084
Twitter: @anabergamasco

Se quiser adquirir o livro autografado direto com a autora, através de uma super promoção com desconto de final de ano, clique na imagem abaixo:





11 comentários:

  1. hEYYYY Carlaaaa
    Tb ameeei esse livro, e chorei mt qd Rurik morreu, nossa foi péssimo :(
    Livro maravilhoso, e a capa é lindaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    ResponderExcluir
  2. Apátrida foi para mim mais do que um livro, foi um marco nas leituras do ano, me tocou profundamente e entrou para minha lista de indicações(indico para todos meus amigos).
    Sua resenha foi bem completa, disse tudo sem contar nada que estrague o livro, adorei!

    Leiam o livro, a resenha da Carla conta o que você pode encontrar no livro,mas com certeza vc nunca estará preparado para o que vai ler!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Estou lendo ele também, e posso dizer que é quase impossível ficar insensível a tudo o que ela passou.
    O coração aperta, dá uma vontade imensa de fazer algo pra mudar tudo o que aconteceu.
    Estou mergulhada completamente em Apátrida e também já o considero um dos grandes lançamentos do ano.
    A força e a forma como a Ana Paula escreveu mexe com os nossos sentimentos, cada frase que me levou a refletir e também as lágrimas (confesso).
    Em breve estarei resenhando no meu blog, mas como estou amando o livro, estou lendo devagar, para poder saborear cada página.
    Coisa de leitora doida rs).

    ResponderExcluir
  4. Todos falam muito bem deste livro, ainda naum tive a oportunidade de ler...


    http://conversandocomdragoes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Carlinha eu adorei a sua resenha!

    Estou doida para ler Apátrida, tenho certeza que será uma leitura inesquecível!

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Esse sem dúvida foi o melhor livro que li esse ano... a história é linda e as vezes a gente esquece que se trata de uma obra ficcional...

    beijos,
    Dé...

    ResponderExcluir
  7. Ei Carla,

    Ótima resenha, o meu já está na estante esperando. Pretendo ler logo, só vejo ótimos comentários e já vi que vou chorar rsrs

    A capa é tãooo linda ^^

    bjo

    ResponderExcluir
  8. A primeira coisa que nos chama atenção nesse livro é a capa que é belissima.

    Em seguida a sinopse que nos apresenta uma história cheia de elementos complexos e interessantes.

    Adorei a resenha. Me fez ficar com uma vontade louca de ler esse livro.

    Por sinal será minha próxima leitura.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Concordo com você, a capa é lindona, mesmo. Parece ser um livro muito bonito. Deu vontade de ler! ;)

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Carlinha,

    Esse não é aquele que você se acabou de chorar??
    Ain, eu adoro livros sobre esse período, mas, putz, ando querendo ficar longe de livros que me farão chorar... =/

    Ain, vários livros esses meses eu vi com problemas de revisão. Poxa, é tão ruim quando isso acontece! Parece que faltou um cadinho de carinho com eles...

    ResponderExcluir
  11. Olá, Carla, tudo bem?
    Sou eu quem agradeço pelo carinho e pela bela resenha! Mais feliz, por saber que também gostou do livro!

    Um beijão, Ana

    ResponderExcluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.