Eu Sou o Número Quatro - Pittacus Lore

EU SOU O NÚMERO QUATRO
PITTACUS LORE
Intrínseca

Depois dos vampiros e dos anjos, chegou a vez dos aliens! Pois acreditem! É isso mesmo, através do livro "Eu sou o Número Quatro", que conta a história do lorieno John Smith, o quarto de nove crianças que foram enviadas à Terra depois que seu planeta foi destruído, um alien que tem superpoderes e habilidades diferentes das de qualquer ser humano, que permitem fazer coisas incríveis.

Lançado em 14 de março de 2011, este livro é o primeiro volume da série Os Legados de Lorien, idealizada por James Frey, autor do polêmico "Um milhão de pedacinhos" (Não li, mas na época, cheguei a assistir a uma entrevista maravilhosa com o autor no programa da Oprah Winfrey sobre o livro e logo depois a polêmica que o envolveu), e escrita em coautoria com Jonie Hughes sob o pseudônimo de Pittacus Lore - o ancião de Lorien a quem foi confiada a história dos Nove (que também é um dos personagens da história).

Chegaram à Terra há dez anos, vindos de um planeta chamado Lorien. Não se lembravam de nada, mas precisaram separar-se e seguir caminhos distintos. Vieram para cá porque Lorien - cujos habitantes foram dizimados, exceto as nove crianças e seus Guardiões, que se exilaram na Terra -, foi devastado pelos habitantes do planeta Mogadore, uma raça violenta de alienígenas.

Eles destruíram Lorien por seus recursos, porque transformaram Mogadore em um poço de destruição e morte. Por isso, os lorienos vieram exilar-se aqui até poderem retornar ao seu lar. Mas eles foram seguidos pelos mogadorianos que estão caçando os Nove (que acreditam que eles querem dominar o planeta Terra).


Nove de nós vieram para cá. Somos parecidos com vocês. Falamos como vocês. Vivemos entre vocês. Mas não somos vocês. Conseguimos fazer coisas que vocês apenas sonham ter. Somos mais fortes e mais rápidos do que qualquer coisa que já viram. Somos os super-heróis que vocês idolatram nos filmes e nos quadrinhos - porém, somos reais.

Nosso plano era crescer, treinar, ser mais poderoso e nos tornar apenas um, e então combatê-los. Mas eles nos encontraram antes. E começaram a nos caçar. Agora, todos nós estamos fugindo. Vivemos nas sombras, em lugares onde nunca seremos procurados, tentando não ser notados. Vivemos entre vocês sem que vocês saibam. Mas eles sabem.

A guerra deles chegou, e aqui será decidida. Se os encontrarem, é morte na certa.

John tinha cinco anos quando chegou à Terra com seu guardião para assimilar a cultura local antes de voltar à Lorien, que estava inabitado. Queria ser uma criança e levar uma vida normal, mas descobriu que não era, desde que a primeira cicatriz circular surgiu, avisando que foi encontrado e logo será morto.

No início éramos um grupo de nove.
Três se foram, morreram.
Agora restam seis.
Eles estão nos caçando e não vão parar enquanto não matarem todos. Eu sou o Número Quatro.
Sei que sou o próximo.

Pág. 13

Henri é o Guardião ou Cêpan de John, que é um Garde. Vou explicar para vocês entenderem melhor. Todo Garde (que tem poderes desenvolvidos com o intuito de ajudar, proteger e defender Lorien) são designados a um Cêpan quando pequenos, que os ajuda a entender a história do planeta e a desenvolver seus poderes. Os Cêpans eram burocratas treinados para administrar o planeta e mantê-lo funcionando, ensinar, treinar os novos Gardes e capacitá-los para entender e manipular seus poderes. Nunca foram preparados para a guerra. Tudo o que restou-lhes foi ir embora com os Gardes e sobreviver para um dia restaurar a glória de Lorien.

Henri era casado há vinte anos com
Julianne (que tinha um grande coração ajudando outras pessoas e adotando animais), quando veio à Terra com John e ainda sente falta da esposa diariamente, porque o povo lórico é monogâmico, quando se apaixona é para sempre. Aos 50 anos, com um forte sotaque lórico, ele usa tecnologia avançada para pesquisar as notícias mundiais e descobrir a atividade policial na região e se estão em seu encalço.

Em suas mudanças, Henri sempre leva a Arca Lórica (tipo uma caixa de Pandora), que guarda a Herança que é dada a cada Garde na hora do seu nascimento para ser usado por seu Guardião quando o Garde começa a desenvolver seu Legado, ou melhor, poder.

Por isso, ele e John Smith vivem como nômades, com identidades forjadas, para que não descubram o seu paradeiro. Mudam-se para o Alabama, onde levam uma vida rotineira em uma cidadezinha. Na escola, John torna-se o aluno esquisito, por não ser violento e inteligente, porque seus poderes estão prestes a aparecer a qualquer momento.

(...). Trata-se da sobrevivência de nossa raça, quase inteiramente destruída e de mantê-lo vivo. Cada vez (... ) que um dos Gardes, morre... nossas chances diminuem. Você é (...) o próximo da fila. Há uma raça (...) de assassinos cruéis à sua caça. (...).

Pág. 19

A filha de Annie Hart, uma corretora de imóveis,
Sarah Hart, uma jovem encantadora e inteligente, é ex de Mark James, que tem um pai influente por ser o xerife da cidade e é o valentão da escola e astro de futebol encrenqueiro. Há dois anos, namorava Sarah quando ela ainda era líder de torcida. Por causa dele, ela acabou afastando-se da família e dos amigos. Por isso, começou a mudar sua maneira de ser sendo cruel, crítica, julgando-se superior aos outros, bebendo e tendo um péssimo rendimento escolar, até que decidiu que a vida era muito mais do que isso. Até hoje, o possessivo Mark não superou o rompimento, ainda considera-a sua garota e quer que ela volte.

Quando John conhece Sarah, há uma ligação instantânea entre eles, mas t
enta seguir o conselho de Henri não se destacando e chamando a atenção, porque há sempre uma linha tênue entre interagir só o suficiente, para manter a discrição, e interagir pouco demais e acabar destacando-se e acabar tornando-se esquisito. Ele está cansado dessa vida de nômade, dos nomes falsos, das mentiras, está farto de ficar à espreita de que está sendo seguido. Está cansado de viver fugindo, mas isso é o que os mantém vivos.

Até que um dia, um brilho pálido surge no centro da sua mão esquerda e John apura a audição e desliga para concentrar-se no meio de tanto barulho e confusão. Esse é o seu primeiro poder que surge depois de uma longa espera: o Lúmen. No decorrer da história, ele irá desenvolver todos os Legados que surgirão e com os quais poderá lutar.
Alguns deles achei bizarros, mas John consegue levar uma vida normal na escola. (risos).

(...). Penso em meu maior Legado, aquele que me permitirá lutar. (...) qual quero que seja. Lasers? Controle da mente? Capacidade de controlar o clima, (...)? (...) ou algo mais sombrio, sinistro, como o poder de matar sem tocar?

Pág. 100

John começa a adquirir poderes que o tornam resistente ao fogo e ao calor.

A poluição, a superpopulação, o aquecimento global e falta de alimento que assola nosso planeta, já foi enfrentado por Lorien, um dos dezoito planetas que habitam o Universo. Por isso, ele começou a morrer, há 25 mil anos atrás, e o povo foi forçado a agir para sobreviver.

A expectativa de vida de um lorieno é de cerca de duzentos anos e os mais velhos que criam os filhos, enquanto seus pais desenvolvem seus Legados.

- Eles tinham esperança de matar todos nós antes de seus Legados desenvolverem. Mas nos mantivemos escondidos. (...) manter a calma. (...), ser cautelosos e astutos. (...), quando todos vocês estiverem plenamente desenvolvidos, a guerra será travada. Vamos reagir e nos vingar, e eles sabem disso.

Pág. 71

Os mogadorianos, habitantes do planeta Mogadore (que terá uma morte inevitável exatamente como Lorien), são sigilosos, manipuladores e desconfiados. Sociáveis em cidades movimentadas, possuem alguns poderes. Alguns deles, vieram ao nosso planeta, porque estão interessados nos recursos que a Terra possui e estrategicamente planejam
invadi-lo e destruí-lo, como fizeram com Lorien, procurando as fraquezas humanas para usá-las contra seus habitantes, quando a guerra começar, com a intenção de habitá-lo.

E quando o Armagedon chegar, eles conhecerão nossas fraquezas e poderão nos derrotar com facilidade, expondo-as.

Pág. 90
- Fomos derrotados com muita facilidade. Que esperança existe para um final diferente, se formos encontrados? Mesmo quando nós tivermos desenvolvido nossos poderes, e quando finalmente estivermos juntos e pudermos lutar, que esperança teremos contra coisas como aquelas?

- (...). Não perca a esperança, (...). Quando você a perde, já perdeu tudo. E quando você pensa que tudo está perdido, (...) é sinistro e sombrio, sempre há esperança.


Pág. 103

Além de ação, o enredo também mostra o lado pueril e doce do amor na adolescência.

Sinto um nervosismo (...). (...). Não sei o que vou dizer a ela E se não conseguir pensar em nada e ficar parado com cara de idiota? E se ela estiver com (...) quando eu a vir? Devo cumprimenta-la e correr o risco de provocar outro confronto ou simplesmente passar direto e fingir que não vi nenhum dos dois? (...).

Pág. 83
Às vezes lembro explicitamente as imagens do meu passado, lembro-me de ter feito parte delas. Mas, outras vezes, elas não são tão novas para mim que é como se nunca houvessem acontecido.

Pág. 93
- O planeta ainda vive e respira. (...). Hibernando, (...). Mas um dia desses ele vai acordar.

Pág. 144

Um dos personagens que adorei e é a grande atração da história é o cachorrinho Bernie Kosar, que é um show à parte e guarda um grande segredo, que suspeitei desde o princípio. Devia ter um livro só dele (risos).

- (...). Tem poderes especiais? É um supercachorro? (...).

Pág. 147

Até que um dia, ao tentar descobrir um fato e saber o que fizeram, Henri desaparece e o desesperado John descobre que ele foi capturado. Por isso, conta com a ajuda de uma pessoa muito especial e juntos vão enfrentar todos os perigos inimagináveis.

- (...). Jamais me perdoaria se algo acontecesse a você. Se morresse sob minha vigilância, não sei como eu poderia continuar vivendo. (...).

Pág. 210
- (...), não creio que seja possível amar uma humana como você amaria uma loriena. (...) - (...) é amar completamente. Sem ciúme, insegurança ou medo. Sem mesquinhez. Sem raiva. (...).

Pág. 221
- Essa é a pior maneira de sentir falta de alguém. Quando a pessoa está a seu lado e ainda assim você sente falta dela.

Pág. 265

Um dia,
um incêndio pode colocar tudo a perder e, para piorar ainda mais a situação, John encontra um papel onde aparece escrito em letras garrafais:

"VOCÊ É O NÚMERO QUATRO?"

Pág. 271

E, a partir daí, todos começam a correr um risco enorme em uma batalha sangrenta de vida ou morte.

- Esta luta não é de vocês - ele avisa. - Não sei o que esperar lá fora (...). Eles não estão atrás de vocês, (...).

Pág. 297

(...). A mão tem dedos curtos e grossos e garras como as aves de rapina (...). É um rugido ensurdecedor (...). (...), uns cinquenta dentes, todos muito afiados. (...).

Pág. 321

Essa foi uma das partes que cheguei a emocionar-me e torcer por cada um dos personagens que adorei no desenrolar da narrativa. Será que eles são ilesos e vitoriosos? Isso, você terá que ler o livro para saber!!! (risos).

Adorei diversos personagens, entre eles:

- Sam Goode: o amigo nerd aficcionado por alienígenas e extraterrestres, porque é obcecado por ficção científica e conspirações, desde o desaparecimento de seu pai.
- Henri: um homem integro e devotado à John.
- Os avós de John:
O avô era um bom homem, calmo e relaxado que adorava alegrar as pessoas com sua alegria e piadas, porque era muito brincalhão; sua avó, era inteligente, quieta e reservada.
- Mark James:
No começo não gostei muito dele, porque sempre detestei valentões e encrenqueiros (risos), mas no final ele surpreendeu-me!

No decorrer da leitura, percebi que a história de John Smith é muito semelhante à história de "Smallville", porque lembrou-me de Kal-El, sobrevivente de Krypton que, quando chegou à Terra, passou a viver entre nós adotando um novo nome, Clark Kent, começou a descobrir e desenvolver poderes excepcionais, onde mais tarde tornaria-se o Superman. E, coincidências à parte, ele também resgatou um cãozinho branco e chamou-o de Krypto. (Eu adoro! Já assisti tudo quanto foi filme e série sobre o Superman. Meu filme preferido são os do ator Christopher Reeve e, atualmente, assisto a série "Smallville", com o Tom Welling, mas não estou tendo tempo de acompanhar a temporada atual! Quem acompanha?).

Apesar de ser previsível, este livro é ideal para todas as idades, porque é uma leitura envolvente e divertida. A cada página lida, eu ansiava em saber o que viria a seguir, além de tratar de alguns temas ambientais bem atuais como a conservação do nosso planeta com muita ação, monstros, mistérios, segredos que vão sendo esclarecidos, adrenalina e, é claro, romance!

Série "Os Legados de Lorien"

1. Eu Sou o Número Quatro (I am Number Four)
2. O Poder dos Seis (The Power of Six)
3. The Rise of Nine

Hotsite da série:


Para quem ainda não sabe, este livro inspirou o filme homônimo lançado em 2011 pela DreamWorks, dirigido por D.J. Caruso e produzido por Steven Spielberg e Michael Bay, estrelado por Alex Pettyfer (John Smith), Timothy Olyphant (Henri) e Dianna Agron (Sara). Para mais informações, clique AQUI!

Aguardando ansiosa pela continuação das novas aventuras de John e seus amigos em "O Poder dos Seis" e para conferir o filme, que está dando o que falar, com opiniões bem divergentes. Só poderei opinar a respeito quando assisti-lo.

Você está esperando o que para conferir os dois?! Porque John está à sua espera nessa caçada implacável, afinal ele é o próximo da lista, é o Número Quatro.

Desculpem pela resenha extensa, mas quando gosto de um livro, me empolgo mesmo! (risos). Por isso, está mais do que recomendado!

8 comentários:

  1. Ainda não tenho o livro e não vi o filme por isso não tenho como opinar mas é ótimo quando vc gosta do livro, as resenhas ficam maravilhosas.

    Beijos
    Blog Apaixonada por Romances

    ResponderExcluir
  2. Eu tb adorei, mas estou com um pé atrás de assistir ao filme, vou li gente descendo o pau, dizendo que acabaram com a obra nas telonas..rs, então só vou ficar no livro..rs
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei dos dois, mas sendo sincera, são bem diferentes apesar das nuanças.
    Já dei minha opinião sobre as diferenças no meu post da resenha.
    Mas falando da sua, completíssima!
    Adorei sua visão sobre o livro!

    ResponderExcluir
  4. Vou dizer que a parte onde você contou que o livro é previsível me deixou um pouco triste >.< hahah Eu não gosto muito de livros previsíveis... mas esse parece ser bem divertido apesar disso =)
    Estou doida para lê-lo!

    ResponderExcluir
  5. Oie!

    Eu assisti o filme, mas não sei parece que faltou história.

    Acho que quando ler o livro vou entender muita coisa.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Quase comprei este livro nas americanas, estava de promoção! kkkkk.
    Agora estou morrendo de raiva por não ter comprado!!!!!!

    Agora livros com tema místico, sobrenatural (me ajuda a sair dessa realidade tão cruel) kkk.
    Confesso que morro de vontade de assistir no cinema Carla, mas vou me segurar até ler o livro, pois com certeza é bem melhor.

    Adorei a capa, mas acho que tinha de ter outra, não só a do filme (eu sei exigente demais) kkkk.

    Bjus!

    ResponderExcluir
  7. Oi Carlinha,

    Eu também fiquei empolgadíssima por causa do livro... estou doida para ler logo o próximo, pois a Seis parece ser ainda mais interessante...
    Agora o filme foi decepcionante, não que ele não seja legal, mas sabe quando você espera uma coca-cola e te dão um genérico "qualquercoisa-cola"... esperava muito mais...

    beijos,
    Dé...

    ResponderExcluir
  8. Apesar de eu não ser fã de aliens e similares, gostei muito do enredo do livro, eu leria e assitia o filme, mas sempre esperamos mas do livro neah?!

    ResponderExcluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.