Anna e o Beijo Francês - Stephanie Perkins

ANNA E O BEIJO FRANCÊS
STEPHANIE PERKINS
Novo Conceito

Este livro, que no original em inglês intitula-se Anna and the French Kiss, é um romance divertido juvenil ou YA como vocês conhecem. Eu adorei a capa, que achei melhor do que a original, na parte do título que ficou bem colorida.

Aos 17 anos, Anna Oliphant está surtando, porque seu pai, que é um famoso escritor, matriculou-a em um internato parisiense para cursar o último ano do Ensino Médio. Prefere viver em Atlanta, ao lado de seu irmãozinho, Sean, onde tem um bom emprego, e vive sua fiel e melhor amiga, Bridgette, que é fanática por palavras e toca em uma banda, Matt, seu melhor amigo, e Toph, sua paixonite do momento, cujo namoro estava prestes a acontecer, quando esta partiu. Como toda jovem, Anna teve alguns paqueras, mas alguns trouxeram muitas desilusões. Seu grande sonho é ser crítica cinematográfica. Não está nada entusiasmada em viver essa nova experiência na cidade mais romântica do mundo, mas isso futuramente pode vir a tornar-se uma lembrança memorável.

Isto é tudo o que sei sobre a França: Madeline, Amélie e Moulin Rouge. A Torre Eiffel e o Arco do Triunfo também, embora eu não saiba qual a verdadeira função de nenhum dos dois. Napoleão, Maria Antonieta e vários reis chamados Louis. Também não estou certa do que eles fizeram, mas acho que tem alguma coisa a ver com a Revolução Francesa, que tem algo a ver com o Dia da Bastilha. O museu de arte chama-se Louvre, tem o formato de uma pirâmide, e a Mona Lisa vive lá junto com a estátua da mulher sem braços. E tem cafés e bistrôs – ou qualquer nome que eles dão a estes – em cada esquina. E mímicos. Acomida é espontaneamente boa, as pessoas bebem muito vinho e fumam muito cigarros.

Ouvi dizer que eles não gostam de americanos nem de tênis brancos.

(...).

Não é que eu seja ingrata, quero dizer, é Paris. A Cidade Luz! A cidade mais romântica do mundo.

Pág. 7

Achei muito engraçada a referência ao Harry Potter, do qual sou fã:

Pelo menos as pessoas na minha nova escola falam inglês. Foi fundada por americanos pretensiosos, que não gostam da companhia dos próprios filhos. É sério. Quem manda os filhos para um internato? É tão Hogwarts. Só que no meu não tem feiticeiros bonitinhos, balinhas mágicas ou aulas de voo.

Pág. 8

Anna fica em pânico, quando seus pais deixam-a sozinha, para enfrentar essa nova fase em sua vida, em um país estrangeiro, com cultura, costumes e um idioma que desconhece, mas consegue passar incólume no primeiro dia de sua estadia e faz alguns amigos, que serão muito especiais nessa encruzilhada, entre eles: Meredith, uma jogadora de futebol adorável, que cursa o último ano; Josh, um artista muito talentoso, quieto, reservado e filho de um senador, Rashimi, Étienne St. Clair e Ellie, formada em fotografia.

Um dia, Anna topa com Étienne, um rapaz charmoso, inteligente, baixinho, confiante, amigável, de olhar malicioso e, é claro, lindo, mesmo quando está chateado, engraçado, educado, querido pelos colegas e professores, além de ser muito atraente, perfeito e maravilhoso... Ele tem uma aura magnética que atrai todas as garotas ao seu redor, que são cegados pela sua beleza, porque ele é o garoto dos sonhos de todas as garotas. Americano com sotaque inglês irresistível, porque é filho de um francês com uma americana. Foi criado em Londres, só que, apesar de todas as suas qualidades, ele namora há um ano com Ellie.

- Oh, meu Deus. O que... há... com... esse entusiasmo assustador? Sinto que estou ficando vermelha e isso é tão humilhante.

Pág. 16
Não quero me sentir assim perto dele. Quero que as coisas sejam normais. (...) ser sua amiga, não outra garota estúpida agarrando-se a algo que nunca acontecerá. (...).

Pág. 55
(...) Qualquer garota que tenha a atenção diária de um garoto maravilhoso com uma graça de sotaque e cabelo perfeito estaria sob grande pressão em não sentir uma grande, ardente, dolorosa, interminável atração por ele.

Pág. 74

Apesar de sentir falta de casa, Anna sente-se injustiçada pelo fato de seus pais não terem deixando-a fazer sua própria escolha, levando isso em consideração, já que tinha uma vida feliz com seus amigos.

Além da forte atração que sentem um pelo outro, Étienne e Anna tem outra coisa em comum: "odeiam" seus pais, mas ao longo da leitura, vocês saberão os seus motivos para tanto raiva. Fiquei com muita pena do jovem.

Ele tem uma grande mágoa do pai, que é dono de uma galeria, porque tanto ele quanto sua mãe vivem sob o jugo e o rígido comando dele, que é amigável com outras pessoas. Étienne ama a mãe, que é pintora, acima de tudo. Por isso, estuda arte de estúdio.

Acalme-se Anna. Ele está bêbado e está passando por uma crise. Não há meios de ele saber o que está dizendo agora. Então o que eu faço? Oh, meu Deus, o que devo fazer?

Pág. 111
O meu pode ser egocêntrico, mas nunca me deixaria longe (...). Sinto-me péssima. (...). Meus problemas são tão insignificantes comparados aos dele. (...).

Pág. 110
Minhas emoções estão em conflito. Estou preocupada (...), mas também furiosa (...) e não consigo me concentrar em mais nada (...).

Pág. 115

Um dia, Anna cai do pedestal e descobre uma verdade incontestável sobre Toph, e fica abalada, assim como St. Clair com um fato ocorrido em relação à sua mãe.

- Mas o quê? Você deve achar que sou uma completa idiota, certo? Que sou algum tapete que vai ficar te esperando na retaguarda para sempre? (...).

Pág. 251

Ao longo da leitura, Anna e St. Clair, passam por momentos divertidos, conturbados e difíceis, que conseguem superar com a ajuda e o apoio fundamental dos amigos. Com isso, acabam aproximando-se cada vez mais com a convivência e as coisas se complicam.

(...). Quero memorizar o seu cheiro, o toque da sua pele, um dos seus braços, agora contra o meu, e a solidez de seu corpo. (...), vou me lembrar disso pelo resto da minha vida.

Pág. 141
Ele disse que sou bonita, mas não sei se isso foi só um flerte, (...), ou se veio de algum lugar particular. (...). Mas posso estar confundindo a nossa amizade com outra coisa, porque eu quero confundi-la com outra coisa.

Pág. 148

Será que em meio a tantos encontros e desencontros, um pacto será selado com o tão esperado beijo francês?

Ele é tão bonito, tão perfeito. Estou tonta. Meu coração salta, meu pulso acelera. Inclino a cabeça para frente e ele faz o mesmo movimento em direção à minha cabeça. (...).

- Se você me pedir para te beijar, eu te beijo – ele diz.

(...).

Pág. 241

Adorei o senso de humor excelente entre Anna, St. Clair (que vive zombando dela, que considera-o apenas um amigo) e Josh. Ele e St. Clair idolatram-se pelo carisma e seu talento de artista. Quando os dois estão juntos, é hilariante!

Além do enredo fantástico, apreciei duas coisas:

A primeira, as tiradas sarcásticas contra Amanda e seu grupinho de patricinhas e mauricinhos.

- Você gosta dessa mecha? – ela pergunta (...).
- Sim, foi por isso que a fiz.
- Sabe, eu não a teria feito dessa forma. Você parece um gambá.
- Pelo menos, ela não fede como um. – (...).

Pág. 39

A segunda, foram as mensagens de e-mails trocadas entre Anna e Étienne, que eram divertidíssimas, como também os títulos das respostas.

Essas brincadeiras tornaram a leitura ainda mais prazerosa e divertida!

O enredo também é entremeado pela cultura, costumes, tradições e os pontos turísticos com seus afrescos, monumentos, autores e cinemas parisienses, pelo qual fiquei ainda mais encantada e pensei comigo: “Quero morar em Paris!” Pena que os sonhos só são possíveis nas páginas desse livro, mas a cada página lida, valeu a pena, porque sonhar não faz mal a ninguém. (risos).

Se fossem férias, tenho certeza de que estaria encantada. Eu compraria um chaveiro da Torre Eiffel, tiraria fotos dos paralelepípedos e pediria um prato de escargôs. Mas não estou em férias. Estou aqui para viver, e me sinto pequena.

Pág. 18
(...) os franceses são famosos pela sua comida. (...). Jantares nos restaurantes são medidos em horas, não em minutos. É tão diferente da América. (...).

Pág. 123
Notre-Dame é hipnotizante. Música de órgão (...), Victor Hugo escreveu O Corcunda de Notre-Dame para conscientizar as pessoas sobre a história gloriosa de Notre-Dame.

Pág. 274

A história e o desenvolvimento, assim como a dinâmica dos personagens, é apaixonante! Desde o princípio, você fica ávida e tão envolvida com a narrativa, que flui de forma clara e singela, mostrando-nos as qualidades e as imperfeições de cada personagem, com seus sentimentos intensos, dramas e conflitos tão atuais, como também o desenrolar do romance entre Anna e St. Clair. Sabe aqueles livros que você lê e não quer parar até que conclui a leitura e fica ansiando por mais?! Anna e o Beijo Francês é assim! Inesquecível, muito romântico e, é claro, está na lista dos meus favoritos.

Apesar de eu ter ficado inebriada pela história, uma coisa deixou-me penalizada: os erros de revisão e de diagramação, especialmente na forma como os diálogos misturavam-se com as frases, o que deixou-me completamente confusa, porque não sabia o que era narrativa, diálogo, pensamento ou ação do personagem. Como sou perfeccionista, gosto de páragrafo, travessão, fala, etc. Muitas vezes, tive que voltar e reler novamente o trecho em questão. Isso foi desfavorável e atrapalhou um pouco a leitura, mas depois fui no embalo. É uma pena, mas espero que isso seja sanado na próxima edição.

Tirando esse fato, podem deliciar-se com esse romance que irá derreter os corações e arrancar suspiros de todas as românticas de plantão!

14 comentários:

  1. Boa tarde!

    Não preciso de mais incentivo,eu quero muito ler esse livro.

    Beijos
    Apaixonada por Romances

    ResponderExcluir
  2. Doida para ler meu exemplar!
    Agora mais vontade ainda!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Carlinha!

    Eu adorei esta história! O livro é muito fofo!

    Recomendado!

    BJs

    ResponderExcluir
  4. Krambaaaa, eu ia começar a lê-lo, mas decidi começar o Agridoce *___* Aliás, irei enviar a fotinho em breve, tá? rs
    Parece ser tão legaaal esse livro, do tipo de leitura que eu adorooo
    Mal posso esperar pra começar a ler! Beijoss

    ResponderExcluir
  5. Ótima resenha!
    Pretendo ler esse livro =D

    teh mais

    ResponderExcluir
  6. Ah - esse livro é muito bom!!! Eu achei muito divertido ler essa história =D Me senti em Paris ^^

    Agora, fui só eu ou você também achou que o pai da menina era o Nicholas Sparks?! hahahah Sério mesmo... do jeito que a autora o descreve - parece ele... até a pose que sai na contracapa do livro é no estilo Nicholas =D

    ResponderExcluir
  7. Oi Carlinha!!!
    Aiiiii lendo sua resenha fiquei totalmente entusiasmada para ler esse livro!! Adorei a sua resenha, muito completa e divertida!! =)
    Quero ler!!!

    Bjusss
    http://viciadospelaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Acho que todo mundo que leu não gostou desse erro de diagramação. Mas a história é leve e daria um bom filme de comédia romântica.

    ResponderExcluir
  9. Desde o dia que vi o lançamento desse livro, estou querendo ler, mas prometi que esse mês não compro nada kkkkk'
    A história parece ser muito lindinha e legal, também.

    Beijos
    Ellen
    Cks Books

    ResponderExcluir
  10. Esse livro é gostoso demaaaais!

    Muito muito bom!

    ResponderExcluir
  11. Oi, Karina Cristina.

    Fico feliz em saber que o seu "Agridoce" chegou e que já está lendo! Tenho certeza que vai se encantar! Oba! Manda a foto sim, ficarei no aguardo.

    Você vai se apaixonar pelo universo de "Anna e o Beijo Francês". É tudo tão romântico e o St. Clair é um fofo! (suspiros).

    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Nanie.

    Este livro é muito fofo mesmo! Me senti dentro da história!

    Quanto à "semelhança", você não foi a única a perceber isso!

    Quando li a descrição de como o pai dela escrevia suas histórias, em especial nas cenas de morte, me veio à mente este autor! Ela descreveu perfeitamente. Achei muito divertida essa parte. (risos).

    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Tiago.

    É uma pena mesmo, porque poderia ser perfeito!

    Concordo plenamente com você que daria um filme excelente!

    Quem sabe...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Oi Carla!

    Realmente parece ser um livro bem legal!
    Gostei desses trechos que você destacou, e os engraçados são ótimos!kkkk
    Esse do gambá foi hilário! kkkkkk
    Pena que tenha tido esse deslize de tradução e revisão, será que as editoras não vêem isso???
    Algo tão na cara!?? Mas fazer o quê!???
    Assim que poder adiciono ele a minhas estante!

    Bjs!

    ResponderExcluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.