O Divórcio dos meus Sonhos - Clare Dowling

O DIVÓRCIO DOS MEUS SONHOS
CLARE DOWLING
Bertrand Brasil

Este é o primeiro romance desta autora que leio, cujo original em inglês intitula-se My Fabulous Divorce, com 434 páginas.

Dona de uma floricultura, Jackie Ball era impetuosa, divertida, espontânea, franca e convencida, mas voltou à estaca zero depois de tanto sofrer por causa de um casamento falido, que até hoje ninguém sabe o motivo do rompimento.

Como não quer mais ficar remoendo essa história tenta levar a vida adiante, porque está cansada de ser boa, pura e comedida, já que sempre se apaixonou por rapazes rebeldes, melancólicos e pseudofilosofos.

Sabia que o verdadeiro amor a estava esperando, em algum lugar.

Pág. 102

Um dia, conhece Dan Lewis, um gerente-executivo bancário alérgico a flores, educado, carinhoso, sensato, sedutor, bem-sucedido, decente, mas desesperado, pomposo, ciumento e possessivo. Teve momentos que ele me irritou com suas birras infantis, chegando ao ponto de achar que este pendia para o outro lado, viu?

Ela decide conquistar a felicidade a qualquer custo, mas precisa se livrar de Henry Hart, seu ex-marido mala e crítico gastronômico famoso por ser do contra devido à língua ferina, com quem foi casada por um ano e meio, porque o divórcio nunca foi assinado. Sua família detestava-o, já que abriu mão de muita coisa por ele.

- (...) éramos o casal mais inadequado possível. Sério, você não conseguiria encontrar duas pessoas mais diferentes no mundo todo!

Pág. 31

Prestes a se casar com Dan, contrata a advogada Velma Murphy, cujo trabalho e a comida eram o seu grande prazer na vida e sua vocação era ajudar as pessoas fracassadas no amor, que solta uma bomba.

“Pela lei do divórcio irlandesa, os requerentes devem estar separados e morando em residências distintas por quatro dos cinco anos estipulados anteriores ao início do processo”.

Pág. 36

Sem alternativas, deixa o orgulho de lado e contata o ex para pedir o divórcio, mas ele não quer dar o braço a torcer desde que leu os argumentos da petição, porque ela abandonou-o sem a menor explicação e quer saber o verdadeiro motivo, já que ficou profundamente magoado e chocado.

Ela não só havia negado que o casamento fora algum dia feliz, como agora estava negando descaradamente, nos papéis, todas as coisas que o tornaram ruim no final! Olhando para aquela patética petição, tinha-se a impressão de que tudo fora por água abaixo por causa de alguns desentendimentos triviais que poderiam muito bem ter sido resolvidos com uma boa conversa regada a vinho.

Pág. 114

Ele ainda tem contas a acertar e vai dificultar ainda mais as coisas armando a maior confusão, porque acredita que Jackie se divorciou por conta de uma crise emocional inexplicável.

- Bem, eu quero o meu espaço! – disse Henry, bem alto. – Quero um retrato justo e exato do nosso casamento e vou contestar essa droga até consegui-lo!

Pág. 115

Ela conheceu-o em um pub londrino. Quando falava nele ficava tensa e estressada, porque sempre a atingia de alguma forma, já que sempre foi incapaz de participar ativamente da vida familiar e se comprometer emocionalmente, o que o tornava atraente, sexy e misterioso, ao contrário dela que era emocional e passional, já que era um babaca, imaturo, depressivo, resmungão e, claro, asqueroso, imundo e fedorento.

Completamente oposto ao moreno e afável Dan, ele tinha um visual amarrotado, era altivo, pretensioso, carismático, autossuficiente, calmo, intransigente, enigmático, cauteloso, reservado, inescrutável, mas sarcástico, arrogante, malicioso, egoísta, obtuso, mal-humorado, cínico, ardiloso, sinistro e insensível, mas era justo, leal e honesto. Seu grande sonho era ser escritor, mas sua vida está cada vez mais complicada e em ponto de ebulição, já que desde a infância nunca acreditou em finais felizes.

Foi somente naquele telefonema que ele percebeu que a perdera de verdade. Perguntava-se se algum dia tentara realmente não perdê-la. Henry se convenceu de que ela havia partido deliberadamente. Seria possível que a tivesse perdido?

Pág. 145

Generosa, corajosa, ingênua, com um senso agudo de abnegação e de autopreservação, mas sem a menor praticidade, Jackie também era impulsiva, tola, imprevisível, volúvel, sonhadora, emotiva e otimista incurável, pois achava que o amor superaria tudo, porque tinha medo do sofrimento, do confronto, da dor e do fracasso. Lançava-se nas coisas com entusiasmo e energia, mas nunca pensou em aposentadoria, estabilidade financeira e economias precoces para o futuro.

“É... dizem que você só conhece realmente uma pessoa quando se divorcia dela.”

Emma, sua sócia e melhor amiga, não era ousada, mas rígida, inflexível, sensata e arraigada em suas convicções, além de ser sovina e tratar o sexo oposto como lixo. Vive às turras com Lech, o polonês atraente que trabalha como entregador de flores, pizzas e panfletos, por conta da química e da tensão sexual que emana entre os dois (me lembrei da Clare e do Sebastian do livro Sem Clima para o Amor, da Rachel Gibson).

Romântico incorrigível, Lech era autoconfiante, ambicioso, efusivo, bem-humorado, mas Emma pegou uma implicância fora de série, no estilo gato e rato, porque se ofendia só de olhar para ele. Com certeza, estes dois mereciam um livro só deles!

- Eu não suporto Lech. Tudo nele me irrita. Mas nem que ele fosse o último homem da face da Terra! Como você pode achar que eu gosto daquilo?

Pág. 75

O que Dan e Henry tramarão e quais são seus objetivos por trás disso? Será que Jackie dará a volta por cima e escolherá um dos dois pretendentes? Encontrará finalmente a felicidade com alguém ou sozinha?

(...) por que ainda andava por aí carregando fotos de sua lua de mel? Por que mergulhara em outro casamento sem sequer ter terminado o primeiro? (...): por que continuava deixando Henry Hart driblar a verdade e dar as caras?

Pág. 247

Os personagens secundários me cativaram mais do que os protagonistas (teve momentos que quis chacoalhar Henry, Jackie e Dan por serem desprezíveis e imaturos!), já que eram carismáticos e interessantes, entre eles a família Ball, os advogados dos requerentes, Emma, Lech.

A família Ball, que me lembrou da excêntrica família Walsh, dos romances da Marian Keyes, era constituída do casal e seus quatro filhos: Eamon, Dylan, Jackie e Michelle.

Michelle era a
queridinha, sábia, inteligente e uma futura advogada, enquanto o restante se distraíra com carros velozes e mulheres devassas. A mãe era hilária e padecia por causa dos filhos indisciplinados, que tiveram todas as oportunidades de se tornarem adultos responsáveis com empregos decentes. O pai aposentado não se importava com nada e vivia fazendo reparos no lar, enquanto a esposa jamais deixou de se preocupar com os filhos. Na reta final, ele me surpreendeu (nesta hora lembrei-me do Ethan colocando a Darcy em seu devido lugar, em Presentes da Vida, da Emily Giffin) dando a volta por cima e foi uma das melhores cenas do livro, onde morri de rir com a cara da esposa incrédula!

Todo mundo sabe que sou fã do gênero chick-lit e com este não foi diferente. Achei muito divertida a arte e o design da capa que tem tudo a ver com o enredo, que é situado na Irlanda e em Londres. A diagramação e revisão estão excelentes!

A leitura foi envolvente e fluiu rapidamente. O desfecho foi previsível, mas achei que terminou de forma abrupta. A história dos protagonistas me lembrou do filme Doce Lar, uma comédia romântica, estrelado por Reese Whiterspoon, Josh Lucas e Patrick Dempsey.

Um romance extrovertido que, além de mostrar que o diálogo é essencial e imprescindível em qualquer situação, aborda o divórcio mostrando-o sob a perspectiva de cada um dos protagonistas, como também fala sobre as questões inerentes a todo ser humano em relação aos relacionamentos amorosos e fraternais, que gerarão momentos de introspecção através de inúmeras mensagens nas entrelinhas com a qual os leitores se identificarão em qualquer situação vivida por cada um dos personagens.

Se você quer uma leitura para relaxar, dar boas risadas e refletir também, este livro está mais do que recomendado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.