A Filha da minha Mãe e Eu - Maria Fernanda Guerreiro

A FILHA DA MINHA MÃE E EU
MARIA FERNANDA GUERREIRO
Novo Conceito


Este é o primeiro romance de estreia da autora que leio, com 272 páginas, que retrata o relacionamento entre mãe e filha, que é tão intenso e, ao mesmo tempo, tão frágil.

“Toda relação, mesmo entre pais e filhos, é uma via de mão dupla na qual se ensina na mesma medida em que se aprende.”

Mariana sempre teve um relacionamento conflituoso com sua mãe, porque Helena era reservada, fechada, dedicada, severa, mas doce, protetora e zelosa, que abdicava de alguma coisa para proteger os filhos. Ao engravidar, começa a rever seus conceitos rumo à compreensão e ao perdão, já que sua mãe teve um passado e uma infância extremamente difícil, aonde chegou até a passar fome. A partir disso, relembra todos os momentos que passou ao lado da família com inseguranças, sobressaltos e paixões.

Tito, seu pai, teve uma infância simples e humilde marcada por uma doença, que desencadeou a superproteção da mãe que, mais tarde, viria a ser um dos ressentimentos da esposa por não se desvincular da família. Era um jovem simpático, pretensioso e de boas intenções quando conheceu a aparentemente frágil Helena, porque tinha um senso de abnegação de protegê-la e tirá-la dessa vida de padecimento, já que ela carrega um grande rancor e mágoa da mãe, uma mulher egoísta, por motivos que descobriremos ao longo da história que afetará e abalará a todos de modo brutal.

- A senhora não tem direito nenhum desde que abandonou a mim e aos meus irmãos há quase quinze anos!

Pág. 40

Por isso, casou-se cedo e acabou desistindo dos sonhos para cuidar dos filhos. Morria de ciúmes da filha com Tito, o que acabou virando uma competição entre as duas, porque ele sempre foi amigo, calmo, confidente, apaziguador e sempre disposto a ouvir sobre medos, angústias e alegrias, enquanto ela não sabia demonstrar seus sentimentos, pois era fechada, não levava desaforo pra casa e tampouco admitia seus erros, mas tinha uma solução para tudo, porque era forte e capaz, com um caráter e postura inabaláveis.

Mariana sempre foi próxima do irmão, Guga, sempre frágil, inseguro, rebelde, provocativo, desafiador, grosso, egoísta, irracional, mas doce e engraçado. Incomodava-se com o fato da mãe mimá-lo e protegê-lo tanto, mas tinha medo de magoá-la. Por isso, sempre agia como mãe e não como filha. Apesar de sua maneira torta de encarar a vida, Helena sempre amou os dois, mesmo tendo passado por situações terríveis.

- (...). Eu vou sempre estar ao seu lado também. Não importa o que aconteça. Você é minha filha e eu te amo desde o dia em que soube que estava grávida de você. E assim vai ser até o dia em que eu morrer. (...).

Pág. 147

Inconscientemente e a contragosto, Mariana se espelha nela, porque vivia competindo na sua maneira de ser e agir, como forma de chamar a atenção, mas isso a consumia em angústia, já que eram duas estranhas que não sabiam demonstrar o sentimento que a outra precisava. Por isso, sempre buscou o refúgio e o apoio do pai, porque sua relação materna passou a ser um círculo vicioso de rejeição e culpa.

(...): minha mãe era como um doce de mil folhas, com várias camadas, e só se chegava ao creme tirando cada folha antes.

Pág. 110

A história dá muitas reviravoltas que trará muita dor e angústia para a família, entre elas: uma descoberta onde o mundo desaba na cabeça de Guga.

Teve vários momentos comoventes, chocantes e tristes, onde vemos até onde uma mãe encontra forças para salvar um filho.

- Olha aqui, Guga, mas presta atenção! Se eu precisar conhecer o inferno para te tirar de lá, eu vou!

Pág. 180

O enredo é narrado em primeira pessoa por Mariana, em cujas reminiscências doces e pungentes, há personagens complexos que nos emocionam tocando em nosso âmago, onde nos identificamos e sentimos na pele os seus dramas. A narrativa mostra o cotidiano de sua família com muita simplicidade em situações intrincadas e profundamente dissecadas com maestria.

Apesar de ter encontrado alguns erros de revisão, a leitura fluiu agradavelmente com clareza, por conta da escrita singela e dos capítulos envolventes, que gerou um torvelinho de emoções e sentimentos conflitantes, porque o livro aborda temas bem atuais, como: adoção, gravidez, aborto, abandono e rejeição familiar, abuso infantil, depressão, dependência química, alcoolismo e sexo.

Gostei de ver uma pequena alusão de uma história que amo “Pegadas na Areia", de Margareth Fishback Powers. Foi um momento lindo no livro!

Uma das grandes lições aprendidas é que nossa mãe é uma pessoa diferente de nós com sua própria essência e vivência que moldaram sua existência e isso reflete na educação que recebemos. Afinal, ser mãe é padecer no paraíso em meio aos sentimentos de amor, entrega, medo, tristeza, compreensão, aconchego, erros e virtude.

E foi assim, entre tantos desencontros, que descobri que existiam duas Marianas: a filha da minha mãe e eu.

Pág. 29


12 comentários:

  1. KassiaCrislayne04/06/2012 21:43

    Achei a sinopse do livro legal, mas o título engraçado/estranho. agora vejo que faz algum sentido. Posso me interessar para ler.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Danielle.

    O livro é intenso, daqueles que te pegam de jeito, porque você sente uma afinidade com alguns personagens.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Nanie.

    A escrita da autora é singela e cristalina. Este livro é daqueles que te pega de jeito. Quando perceber, já terá concluído a leitura, que flui rapidamente.

    Se prepare p/ fortes emoções. Isso que expressei na minha resenha não é nem a metade. Há muitas surpresas e revelações bombásticas.

    Quanto à revisão, encontrei poucos erros. Apesar de mínimos, me incomodou um pouco, mas nada que interfira na história, que é ótima e bem atual.

    Espero que goste.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4.  Oi, Leninha.

    É o tipo de mote que você ama!
    Se prepare, viu? Para rir, chorar, encantar e se emocionar.
    Em alguns momentos, é um livro bem intenso emocionalmente.
    Só você mesmo p/ trazer à tona essa novela. Adoravaaaaaa! Claro que me recordo! rs.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5.  Oi, Ka.

    Se prepare para fortes emoções. Não consegui transmitir tudo o que senti durante a leitura, porque foi intenso mesmo.

    Você vai gostar e sua mãe também.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Lilian.

    Concordo plenamente com você!

    A capa é linda e reflete exatamente o enredo do livro.

    Já li muitos nacionais e entre eles alguns com histórias excelentes. Este é mais um dessa lista, o que foi uma grata surpresa, depois de ter lido três romances ruins seguidos. Foi um alívio!

    Gostei muito por ser bem atual!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Poxa esse livro deve ser bem intenso... eu não tinha me interessado em ler, até ver sua resenha!!!
    Pelo pouco que colocaste aqui eu gostei muito dos personagens... deve ser uma ótima opçã de leitura!!!

    ResponderExcluir
  8. Ah, que pena que a editora tenha vacilado na revisão - achei que essa fase já estava ultrapassada...
    Eu gostei bastante da resenha e o livro parece ser bem interessante! Espero gostar da escrita da autora e do enredo criado ^^

    ResponderExcluir
  9. Que resenha linda!
    Que lindo lindo!
    Preciso ler e acho que minha filha também!

    Com certeza vou me emocionar.
    Sabe, ele me lembra aquela novela: "História de Amor" com Regina Duarte e Carla Marins. Lembra?!

    ResponderExcluir
  10. Oi Carlinha!

    Não sei porque, mas acho que vou me emocionar com esse livro...

    Todas as histórias que envolvem família (pai, mãe, irmão) acabam de certa forma emocionando-me...

    Não vejo a hora de começar a leitura kkkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  11. liliansilva23/06/2012 18:51

    Oi Carlinha!

    Sabe que eu tinha visto a capa, o nome do livro e nem tinha reparado que era de autora nacional? Me pareceu ser uma história interessante. Anda tão difícil encontrar livros bons entre os novos autores. E autores ponderados. Bom, parece que esse é uma exceção, né? 

    Ah, sobre a capa: achei linda. De verdade. 

    bjs!

    ResponderExcluir
  12. CArlinha, estava ansiosa esperando alguma resenha desse  livro =D 
    O tema chamou muito a minha atenção e eu fiquei tão interessada e ao mesmo tempo tão preocupada em me decepcionar...

    Ainn, vai sair da pilha LOGO.

    Beijos

    ResponderExcluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.