Mordida - Meg Cabot

MORDIDA
MEG CABOT
Galera

Este livro, que no original em inglês intitula-se Overbite, com 308 páginas, é o segundo e último volume da série Insaciável.

A história se passa seis meses após os eventos ocorridos que culminou no final de Insaciável, aonde vimos que Meena, amaldiçoada com um dom terrível, encontrou alguém à sua altura e sabe que foi longe demais por amar Lucien Antonesco, que era completamente irracional por sua causa.

- O que mais ele falou ontem? Que o amor que sente por você ainda arde como uma chama que nunca vai se apagar e que cada momento longe de você é como um ferimento aberto à faca?

Pág. 95

Só que isso ficou no passado. Apesar de ainda amá-lo não confia mais nele, porque seu sorriso ainda provoca reações nela, mesmo que tenha se juntado à Palatina, uma unidade militar secreta do Vaticano dedicada a erradicar sua espécie, ao lado do renomado e charmoso, Alaric Wulf, e quer persuadir a todos comprovando sua teoria de que nem todos os vampiros são do mal e incapazes de amar, já que possuem alguns vestígios de humanidade.

“E se houver o bem em Lucien Antonesco e em todos os demônios? E nosso trabalho não está em destruí-los, mas restaurar o bem que há neles?”

Pág. 45

Só que o machista Alaric fica ultrajado com essa teoria, porque algo assustador está havendo porque os vampiros foram erradicados há meses, porém há um assassino psicótico e insano à solta matando turistas, comendo-os como se fossem zumbis e lobisomens.

- (...) Que tipo de vampiro pede que seus súditos não matem? Que tipo de príncipe das trevas não sabe e nem sequer se importa com os nomes daqueles que o servem... e se apaixona por uma mortal que está convencida de ter sido colocada no mundo para salvá-lo de pessoas como ele?

Pág. 232

Eles têm a missão de desvendar onde estão os corpos dessas vítimas e quem está por trás das ameaças que estão colocando em risco todos os seus amigos além dos habitantes de Manhattan, como também buscam infrutiferamente o foragido e intimidante Lucien.

Ele acabou pagando com sua arrogância por não conseguir controlar a inconstância de Meena e isso foi tão devastador que se esqueceu do mundo exterior, até que um dia tudo muda, porque este será um fator com um papel imprescindível na trama juntamente com um livro de orações que está sendo caçado. O que há de tão importante nele?

Nesse livro os personagens estão muito vulneráveis: Alaric vive se irritando com pessoas que não se ajustam às suas crenças e guarda um grande ressentimento do Padre Henrique, um brasileiro e carioca; todos os sentimentos de Meena são expostos e sua lealdade é posta à prova. Como se isso não bastasse, há inúmeras tentações irresistíveis à primeira mordida em seu caminho; Lucien não está feliz e não é mais a pessoa por quem ela se apaixonou.

(...) ela soube, com uma sensação de inevitabilidade que era terrivelmente decepcionante tanto quanto excitante, que assim que seus lábios se encontrassem não conseguiria resistir a ele. Não queria resistir a ele.

Pág. 169

Quem está por trás dos assassinatos? Quem está usando Meena para atingir a Palatina e Lucien com a intenção de capturá-lo? Conseguirão descobrir a tempo, impedi-lo e puni-lo antes que faça novas vítimas?

Em meio à ataques vampíricos, demissões, sequestros, beijos roubados, dor, sofrimento, solidão, lutas, ação, esperança, reviravoltas surpreendentes e muitas mordidas, o que mais falta acontecer? E quem será o felizardo do coração de Meena?

Este é o segundo livro da autora que leio. Como o primeiro volume, adorei a textura aveludada da capa, como também apreciei o enredo aprazível com uma narrativa fluida, envolvente e repleta de revelações bombásticas mesclando sobrenatural, mistério, suspense, aventura, humor e romance.

Depois de ter ficado inebriada com "Insaciável", "Mordida" me frustrou pela mudança no estilo da narrativa que acabou meio superficial pelo fato de achar que algumas coisas ficaram forçadas. Apesar de ter apreciado o enredo, não achei justo a forma como a autora conduziu o desfecho, que não me satisfez. Realmente, eu não esperava o final de um personagem, mesmo sendo emocionante, ainda mais pelo fato do que uma pessoa é capaz de fazer em nome do amor.

Também senti falta da química palpável, do romance e do humor maravilhoso dos personagens impregnados no livro anterior. Diferente do primeiro, achei que algumas lacunas deixou a desejar e não foi muito convincente, porque a autora poderia ter desenvolvido melhor a história e ousado mais em algumas cenas, porém gostei da forma como satirizou e ironizou o sobrenatural de forma bem-humorada em todos os paradigmas da nossa atualidade, o que tornou a leitura leve e prazerosa sem pretensões.


Série Insaciável

1. Insaciável (Insatiable)
2. Mordida (Overbite)

3 comentários:

  1. Não li o primeiro volume desta série ainda, e confesso que não tenho pressa em conhecer esta série.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  2. Amei sua resenha Carlinha!
    Gostei do livro, apesar de concordar com tudo que você diz em relação ao final.
    Pelo pouco que conheço da escrita da Meg Cabot acredito que ela terminou esse livro apenas para cumprir tabela, assim como cito em minha resenha.
    Mas ta valendo, foi divertida a experiência de ler essa série!

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  3. Amei a resenha Carla!
    Como disse na outra resenha não li nada da Meg Cabot, mas tenho muita vontade e depois dessas duas resenhas fiquei com mais vontade ainda. Apesar dos pesares que você mencionou das diferenças de um livro para outro.
    Acho que seria uma boa começar por essa série dela. ^^

    ResponderExcluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.