Cinquenta tons mais escuros - E. L. James

CINQUENTA TONS MAIS ESCUROS
E. L. JAMES
Intrínseca


Este livro (Fifty Shades Darker, 512p.) é o segundo volume da trilogia Fifty Shades of Grey.

[Aviso: Antes de ler esta resenha, alerto-os de que pode conter spoilers para quem ainda não leu o volume anterior.]


Até o momento, vimos que o multimilionário e enigmático Christian Grey exerce uma forte atração em Anastasia Steele, que acabou superando todas as barreiras do preconceito para vivenciar esse amor, mas quando descobre seu lado obscuro decide dar um basta no relacionamento, porque tem receio e não quer ficar com alguém incapacitado de amar e que sente prazer em infligir dor, já que é adepto ao BDSM, onde há uma fronteira tênue entre o prazer e a dor.


Por que motivo eu ficaria, quando as coisas haviam chegado ao ponto em que chegaram? Ambos tentávamos fugir de nossos próprios problemas: meu medo da punição, o medo dele... de quê? Do amor?
Pág. 16

Com isso, acaba se concentrando na carreira de assistente editorial, mas não consegue esquecê-lo, o que torna tudo muito insuportavelmente doloroso, até que um dia o sentimento fala mais alto e acaba se rendendo aos encantos deste homem belo e perturbado, onde retomam o romance tentando manter a relação normal e equilibrada, ou seja, à la baunilha (sem BDSM).


Tudo o que vejo é o seu desejo, sua adoração, até, e algo mais, a profundidade de sua necessidade, a profundidade do seu amor por mim.
Pág. 200

Apesar de intimidador, teimoso e persuasivo, Grey tem senso de humor. Está cada vez mais irracional e vulnerável, complexo, inconstante e maníaco por controle. Por outro lado é um CEO determinado e talentoso no que faz e um filantrópico dedicado a melhorar a vida dos menos afortunados.

Sempre foi uma criança autossuficiente devido a uma infância e adolescência traumática, por isso se tornou solitário, mas Ana veio para preencher sua vida vazia, porque tem uma autoaversão por si mesmo e por seus problemas. Apesar de frustrante e irritante aos seus olhos, ela está amadurecendo além de estar mais descontraída, ousada e corajosa.

Mesmo insegura no relacionamento, porque o que tanto teme faz parte de quem ele é, Ana faz com que Christian redescubra a si mesmo. Com ele, ela aprendeu sobre o seu corpo, sua tolerância, paciência e sua capacidade de amar.

Como tiveram um efeito profundo um no outro, em meio ao cotidiano e sentimentos divergentes, eles evoluem em pouco tempo, mas percorrem uma jornada em busca da libertação, já que o passado e o futuro estão se colidindo cada vez mais, rumo à redenção.


- Você me faz olhar para o mundo de forma diferente, Anastasia. Você não me quer pelo dinheiro. Você me dá... esperança. (...). Existe algo em você, (...), que me toca em algum nível profundo que eu não sou capaz de compreender. (...). Eu não consigo resistir a você, e não quero perdê-la. Não vá embora, por favor. Tenha um pouco de fé em mim e um pouco de paciência. Por favor.
Pág. 101

Por amor, ele está disposto a enfrentar os fantasmas do seu passado perturbador, mas ao descobrir o que tanto o atormenta, ela terá uma difícil decisão pela frente.

Como se não bastasse ajudá-lo a encarar alguns dos seus demônios interiores - entre eles a parassonia e a hafefobia - e a repensar as coisas, ainda lidará com sessões de terapia, com o assédio no trabalho por parte de seu chefe cretino e de reputação duvidosa e com os relacionamentos anteriores do amado, incluindo uma lunática ex-submissa, arriscando o seu relacionamento frágil e, para piorar, há um acidente que deixa o livro mais tenso!


O que ela queria? Eu? Christian? Para fazer o quê? E por que diabo ela destruiu o meu carro?
Pág. 176

Como se não bastasse tudo isso, Grey não enxerga sua generosidade e acha que não merece ser amado. Ana conseguirá ultrapassar essa barreira e amá-lo incondicionalmente, mesmo com todos os seus problemas?

Esse homem lindo e fodido, a quem já considerei meu herói romântico – forte, solitário, misterioso: ele possui todas essas características -, também é frágil, estranho e cheio de desprezo por si mesmo. Meu coração se enche de alegria, mas também de dor por seu sofrimento. E sei que neste momento que meu coração é grande o suficiente para nós dois. Espero que seja grande o suficiente para nós dois.
Pág. 183

Apesar da montanha russa de sentimentos conflitantes em relação ao volume anterior, devido a algumas situações excessivas no texto da escritora que simplesmente me irritaram, mas que seria sanado com um bom trabalho de revisão ou edição, o enredo não deixou de ser interessante.

Ao contrário de Cinquenta tons de cinza, este foi uma agradável surpresa, o que me deixou aliviada e acabei me divertindo, porque a fluência do texto melhorou, limitando os termos repetitivos e cansativos contidos no primeiro, e se desenvolveu ao longo da narrativa, aonde por diversos momentos cheguei a me emocionar, principalmente na cena em que Grey revela seu grande segredo e está completamente vulnerável e fragilizado. Nesta hora tive pena da Ana, que está caminhando rumo ao amadurecimento tornando-se uma pessoa forte e determinada em busca dos seus objetivos, deixando de ser aquela jovem tímida e que se submetia às suas vontades.

"Nunca senti tanta vontade de fugir. Fugir para um retiro tranquilo em que eu possa pensar nesse homem, sobre como ele é e sobre como lidar com ele. Em um nível, sei que ele está machucado, entendo isso claramente agora. O que é tão desolador quanto desgastante. Pelos pequenos pedaços de informações preciosas que ele tem me dado sobre sua vida, eu entendo o porquê."
Pág. 243

Além dos ingredientes usuais, agora a trama ficou mais interessante com um toque de ação e suspense, além das costumeiras cenas apaixonadas e sensuais, regadas de brigas, ciúmes e reconciliações comumente aos casais em uma leitura ágil, prazerosa e dinâmica, já que foca em outros conflitos deixando um pouco o BDSM de lado.

- Você tem que me deixar lutar minhas próprias batalhas. Não pode ficar constantemente tentando adivinhar tudo o que vai acontecer e me proteger o tempo todo. É sufocante, Christian. Nunca vou evoluir com essa interferência incessante. Preciso de um pouco de liberdade. (...).
Pág. 250

Esse lado inconstante do protagonista me perturbou muito, por isso prefiro o Christian Grey ao Cinquenta Tons! Mas esta dualidade em qualquer personagem sempre me atraiu e, ao mesmo tempo, me repeliu.

Gostei de saber mais acerca do seu passado e conhecê-lo mais a fundo, o que me fez entender sua personalidade conturbada e suas atitudes irrefletidas, através das engraçadas reuniões familiares, cujas peças do quebra-cabeça vão se encaixando.


Mas quem não morreria de raiva? Que pessoa normal e em sã consciência faria aquilo (...)? Quanto será que ela contribuiu para a piração dele? Não consigo entendê-la. E, pior ainda, ele diz que ela o ajudou. Mas como?
Pág. 119

Christian finalmente me conquistou com seu lado humano, fragilizado e romântico, mesmo me tirando do sério algumas vezes, mas não tem como não se encantar com ele, mesmo em sua complexidade e bipolaridade.

Eu o amo tanto. (...). As tantas personalidades de Christian... seu lado doce e gentil, o seu jeito arrebatado e Dominador (...)... seus Cinquenta Tons... ele por inteiro. Espetacular em todas as suas facetas. Todinho meu. (...).
Pág. 452

Além dos momentos ternos, sensuais e dramáticos, há muito humor que acaba desanuviando os momentos tensos (o leilão me recordou do romance “Lembranças de nós dois”, da Judith McNaught, onde Cole salvou Diana de ser humilhada publicamente depois de ter sido abandonada pelo noivo, mas só que aqui morri de rir, assim como continuo me divertindo com a interatividade via e-mail entre o casal).

Apesar das controvérsias, apreciei este livro por ser o mais doce e romântico da trilogia e a forma como algumas questões, que ficaram em aberto, foram elucidadas ao longo da trama, o que foi um bálsamo para mim, porque focou no lado emocional dos protagonistas e, mesmo receosa de me decepcionar novamente, fico feliz por ter dado uma chance.


Mesmo não sendo primoroso, porque já li livros superiores a este, acabei me divertindo porque me concedi o direito de ler despreocupadamente, o que foi bem gratificante, mesmo abordando temáticas sérias, e gostei de vê-los superando todos os obstáculos do relacionamento mesmo com as diversas nuances dos Cinquenta Tons de Grey.

Os direitos do livro foram vendidos e será adaptado no cinema.

Trilogia Cinquenta Tons de Cinza
(Trilogy Fifty Shades of Grey)

1. Cinquenta Tons de Cinza (Fifty Shades of Grey)
2. Cinquenta Tons mais Escuros (Fifty Shades Darker)
3. Cinquenta Tons de Liberdade (Fifty Shades Freed)





9 comentários:

  1. Ainda pensando se leio ou não... Ô dúvida cruel!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Leninha.

      Como disse acima, eu não curti o primeiro, mas este foi bem divertido e o vocabulário melhorou muito em relação ao anterior.

      Felizmente, este acabou sendo uma grata surpresa!

      Dê uma chance, assim como eu, e vê se gosta.

      Beijos.

      Excluir
  2. Oi Carlinha!

    O segundo e o terceiro são bens melhores que o primeiro kkkkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carla.

      Concordo plenamente com você!

      Fiquei tão decepcionada com o primeiro por diversos fatores que este me surpreendeu agradavelmente. :D

      Beijos.

      Excluir
  3. Oi, Carlinho!

    Preciso dar uma chance para essa série!

    Beijos,
    Inara - http://www.lerdormircomer.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Inara.

      Eu estava receosa desde o princípio, ainda mais com o primeiro livro que me desagradou.

      Mesmo assim, dei uma chance e gostei muito.

      Faça o mesmo e quem sabe você curte também.

      Beijos.

      Excluir
  4. Carlinha,

    É um dos próximos da minha lista! Me disseram que é mesmo mais desenvolvido que o 50 tons de cinza! Não curto palavras chulas não...

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thais.

      Com certeza a série evoluiu e se desenvolveu bem em relação ao primeiro, o que foi bem agradável, porque assim como você fiquei incomodada com vários fatores.

      Mas a história neste volume está muito similar aos romances que estamos acostumados a ler e que adoramos, focando mais no lado emocional dos protagonistas. :)

      Leia e depois quero saber sua opinião.

      Beijos.

      Excluir
  5. Oi, Carla.

    Você sabe que estou roendo os dedos e me segurando pra não chorar.
    No segundo volume encontramos um Christian disposto a tudo para ficar com a mulher que ama. Parabéns, a resenha ficou maravilhosa ;)


    Beijos e Até o próximo post!
    Lulu Apaixonada por Romances

    ResponderExcluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.