Fora de Mim :. Martha Medeiros

FORA DE MIM
MARTHA MEDEIROS
Objetiva

Antes de começar a falar da história desse livro, quero dizer que sempre fui apaixonada pelos textos, poemas e crônicas da escritora brasileira Martha Medeiros. E, qual não foi a minha alegria, ao saber que a Editora Objetiva
iria lançar mais um livro dela, porque já lançou Divã, livro no qual o filme homônimo nacional, protagonizado pela atriz Lília Cabral, foi baseado, mas nunca li e ele já está na minha listinha de desejos, que só aumenta cada vez mais! (risos). Então, Fora de Mim é o primeiro livro da Martha Medeiros que leio e quero agradecer à Editora Objetiva por ter cedido cortesmente esse exemplar através da nossa parceria, que me proporcionou uma leitura bem diferente de tantos livros que já tive o prazer de ler! Foi uma leitura agradabilíssima, porque o texto da autora é de um lirismo, uma delicadeza que chega a ser música para os nossos ouvidos. Quem já leu algum texto dela vai saber exatamente do que estou falando. Li esse livrinho, de poucas páginas, em apenas um dia! Isso mesmo, podem acreditar! Foi uma leitura super agradável, apesar do drama pelo qual a personagem está atravessando. É um livro meio complicado para resenhar, por isso vou entremear com as minhas opiniões e alguns trechinhos dele, para vocês degustarem um pouquinho.

A escrita do livro é de uma poesia e o enredo da história, que é dividido em três partes, principia em um momento crucial na relação amorosa da personagem. Um momento terrível, que é aquele em que a paixão fulminante acaba!

"A porta bate e logo se ouve a partida do motor. O carro levanta do chão uma sombra pesada, um zumbido surdo. No apartamento ela se equilibra, tenta achar o prumo.

Ele se foi. Ela sabia."

A narrativa flui de forma clara, cravando as unhas na pele da personagem e vemos como essa relação terminou, porque a autora inicia falando do momento da queda, do fim trágico, quando se tem a certeza de que não há mais volta. Na segunda parte, ficamos sabendo como eles conheceram-se. Durante a leitura, acabamos compreendendo como tudo aconteceu e saiu de controle para chegar-se a esse estágio final! Na terceira e última parte do livro sabemos como eles estão atualmente.

No decorrer da leitura, constatei que os personagens não são identificados pelo nome e tive a impressão que nós estávamos conversando tête-à-tête, trocando confidências e desabafando nossas desilusões, tristezas, enfim todas as nossas frustrações repleta de sentimentos e emoções à flor da pele.

"Eu me olho no espelho e não me enxergo, não sou mais a mesma, perdi a identidade."

Pág. 18

Achei maravilhoso o prefácio do livro, onde a autora compara essa perda com um acidente aéreo.

(...) por alguns segundos, niguém fala, ninguém se move. Todos em choque. (...), mas sabe-se que é grave. Alguma coisa que existia não existe mais.

É a quietude amortizante de quem não respira, não pensa, não sente nada ainda.

(...) ninguém tem certeza se está vivo ou morto, começam a surgir (...) uma sinfonia de lamentos que dará início ao que está por vir: o depois.

Na época, o que bastava para a personagem era a felicidade, porque ela sabia onde e com quem estava, enquanto agora ela está sem chão, completamente perdida, porque esse término roubou o seu juízo, porque ela sempre foi uma mulher consciente e de classe.

(...) eu estava abandonando uma vida que não teria mais, eu sofria minha própria despedida, morte e parto, eu tinha que renascer e não queria, não quero, sinto que caí num vácuo perdi a parte boa da minha história, e não tenho outra, enquanto choro penso que se alguém me visse chorar dessa maneira me salvaria, prestaria socorro, chamaria uma ambulância, eu nunca vi você chorar, você alguma vez chorou por mim, você sofre a minha ausência, sente minha falta?

Pág. 19
(...) que me dá medo e me faz voltar a ser criança, medo de nunca mais viver o que vivi, sentir o que senti, medo de não conseguir aguentar viver sem você e o medo maior de todos, que é o de enlouquecer, porque o que me resta de sanidade me avisa: estou pirando, eu sei.

Pág. 28
Todas as noites eu rezo pra Deus pedindo desculpas pelo meu sofrimento mesquinho, menor. (...) por causa de um traste que (...) apenas me deixou. (...) tire esse homem do centro das minhas atenções.

Pág. 41

Ela costumava ser uma alegria ambulante, compartilhava sua felicidade com os amigos, mas agora tudo terminou, porque ela está com uma tristeza profunda e desesperadora, mas o tempo vai passando e, mesmo sentindo tudo o que sentia, ela não procura mais lógica para esse sentimento atrofiante.

Mas, no decorrer da leitura, percebi que essa relação estava fadada ao fracasso desde o princípio, porque ambos eram recém-divorciados, que buscavam amparo na relação com a intenção de apagar o fracasso dos relaçionamentos anteriores. Eles eram completamente opostos um do outro lutando contra todas as suas adversidades. Ele era lindo e não tinha estabilidade nenhuma; e ela era centrada e experiente, que acabara de sair de um casamento de 16 anos estável, quando o conheceu de forma inesperada.

(...) já teve um homem excêntrico surgido do nada oferecendo um amor transbordante, um homem com uma conversa sem pé nem cabeça, mas deixando transparecer em cada palavra que está disposto a morrer para tê-la, um homem com quem você sai uma única vez e já se sente a mulher mais desejada do planeta, (...)

Pág. 61

Ele era muito persuasivo e tinha um poder de sedução inesgotável. Era o homem perfeito, lindo, generoso, prestativo, incansável que tornou-a completa, que reinaugurou nela a sensualidade, a vitalidade e a alegria que estavam obstruídas há anos. Mas com o tempo, a mácara começou a cair e foi o começo da devastação da vida dela começando a tirá-la completamente do sério fazendo a desistir da vida, da sua liberdade.

Ele tinha sobre ela o mesmo efeito de uma droga. Quando li essa parte fez-me lembrar de dois livros que li. Primeiro, da saga "Crepúsculo", da autora Stephenie Meyer. Lembram do efeito que o Edward tinha sobre a Bella? E segundo, do livro "A Bandeja: Qual Pecado te Seduz?", da autora brasileira Lycia Barros, que brevemente falarei sobre ele. Pois é, então.

Adorei alguns trechos de poetas brasileiros, em especial Mario Quintana, que adoro!

Bem, não vou estender essa resenha, porque senão vou longe... (risos). Vocês puderam perceber que amei esse livro, né? Quando gosto, me empolgo demais! (risos).

Só para encerrar, deixo apenas uma das belas mensagens que o livro tem:

(...) o amor termina apenas para aquele que morre: quem sobrevive dedica-se a um breve luto e depois volta pra vida - e voltar pra vida quase sempre significa voltar a amar.

Pág. 90

Será que eles voltaram? Qual o desfecho no destino dos personagens?

Para saber o que houve com eles, você terá que ler o livro, é claro! (risos).

Por isso, esse livro está mais do que recomendadíssimo para todas as mulheres e homens também que já passaram por essa situação, porque é um sentimento que é muito recorrente em algum momento de suas vidas!

9 comentários:

  1. Poxa amiga, você conseguiu colocar no papel todo a emoção que sentiu a ler esse livro, que vou já já pegar e continuar a leitura, kkk
    Agora ainda mais ansiosa por ler o mais rápido possível!
    Adorei sua resenha, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Carla vou ser sincera e dizer que sua resenha me agradou e desgostou.

    Gostei da sensibilidade como você descreveu o livro. Os sentimentos e tudo que acompanha o fim de um grande amor.

    Não gostei da temática do livro. Se o final é triste eu corro leguás. Tá sei que você não especificou o final do livro, mas fico com medo dele não ser como espero. Tudo bem que muitas vezes a vida não é do jeito que queremos, mas sou uma romântica incurável e gosto de ver o mundo em lentes rosa, pelo menos um pedacinho dele.

    Não vou dizer que não lerei, quem sabe?!

    Super beijo.

    ResponderExcluir
  3. Carlinha adorei a resenha! Fiquei morrendo de vontade de ler o livro!Adoro a Martha Medeiros!

    Obrigada por nos presentear colocando os "trechinhos"! Você e a Lena estão gostando dessa história de me fazer chorar hoje, rs

    beijoss

    ResponderExcluir
  4. Carlinha,

    Ainda nao li nada da Martha...

    E tô vendo que tô perdendo mto.

    Add na lista...

    Parabens pelo seu cantinho...

    Cada dia melhor...

    Bjos,

    ResponderExcluir
  5. Adorei os trechos que você colocou. Lindo!
    Ai, será que eles acabam juntos?
    Agora tenho que ler! hahaha
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Seus post a cada dia ficam mais charmosos, não ando lendo muitos livros nacionais, mas desse gostei muito...valeu pela dica!!!
    xeru

    ResponderExcluir
  7. Ei Carla,

    Aiii que arrependimento de não ter pedido este, adorei as citações.

    Eu tbm já li vários textos da autora mas nunca li um livro inteiro dela.

    Eu quero, adorei a resenha :)

    bjoo

    ResponderExcluir
  8. ei Carla, eu nunca li nada da autora, mas esse livro parece ser bem bom.
    Vou ler com certeza. ^^


    beijos.

    ResponderExcluir
  9. Eu adoro o forma como você faz sua resnhas Carla, passa tanto sentimento, tanta emoção.
    Só por isso já tenho vontade de ler o livro.
    Martha Medeiros é mais uma autora brasileira que eu estou louca pra ler.
    E fico super feliz em ver o destaque que os nossos autores estão tendo a cada dia que passa.
    Fora de Mim, com certza vai pra minha pilha de futuras aquisições.
    Que por sinal, está imensa. kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir


Quer deixar seu comentário? Fique à vontade!

Agradeço sua visita e volte sempre! ^^

Postagens Recentes

Últimos Comentários

Copyright © 2009, 2015 - Sonho de Reflexão - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
As postagens desse blog são de minha autoria. Se tiver algo produzido por outra pessoa, os créditos serão devidamente mencionados. Se quiser reproduzir algum texto meu, me avise e dê o devido crédito. Leia os "Termos de Uso". A imagem da mulher lendo foi retirada do quadro "A Quiet Moment" da artista americana Sandra Kuck.